.Relógios do Mundo
Clique aqui para saber as horas em qualquer parte do Mundo

.Para o leitor

Qual o livro que mais o marcou? Partilhe aqui a sua opinião!


What is the book of your life? Share your opinion here!


Deixe os seus comentários e sugestões aos artigos do Blog. É fácil, não necessita de registo e torna este Blog mais interessante com o seu contributo. Para saber mais clique aqui



.Mais sobre mim
. Sobre a Mafalda




.links
.arquivos

. Maio 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Outubro 2005

.posts recentes

. Homenagem a Veiga Simão

. Ondjaki vence Prémio Lite...

. Cartas entre Drummond e J...

. "Papa Francisco - Convers...

. José Luís Peixoto o padri...

. José Gomes Ferreira e o s...

. O(s) prefácio (s) de Gasp...

. "Portugal: Dívida Pública...

. Agualusa vence Prémio Man...

. Conheça quais são as livr...

.pesquisar
 
Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2012
Oscar Niemeyer, o grande nome da arquitectura. Leia a entrevista ao ícone

Foi em 2000. Há 12 anos. Vivia em São Paulo, Brasil, e a pedido de Silvio Cioffi, editor de Turismo da Folha de S. Paulo, viajei até Brasília. À cidade que tem a assinatura de Oscar Niemeyer e Lucio Costa.

 

O que descobri? Um mundo de sonho tornado em realidade. Descobri Brasília. A capital de um país, idealizada por Juscelino Kubitschek e realizada por Oscar Nieymeyer e Lucio Costa, dois nomes que "redefiniram a cultura brasileira do século 20", como escreve Guilherme Wisnik,  num artigo publicado hoje pela Folha. 

 

Hoje o mundo está de luto. Mas Oscar Niemeyer viverá para sempre. Morreu com 104 anos e teve a sorte, o mérito e o talento de deixar muita obra (e, ainda muitos projectos). Mas tem mais: Niemeyer conseguiu "construir" a capital de um país! Nada mais nada menos do que a capital do Brasil. Um feito, com história, para homens que mudaram a história não só da arquitectura; mas sobretudo da "sociologia arquitectónica" de um país. 

 

Deixo-vos a entrevista a Oscar Niemeyer, realizada a quatro mãos com Silvio Cioffi, para a Folha de S.Paulo;  e a minha visão de Brasília.

 

 

 

BRASÍLIA, 40
Convocado por Juscelino Kubitschek, Niemeyer começou a pensar na capital numa manhã de setembro de 56
Gestação da cidade começou há 44 anos

(2 de Outubro de 2000)

MAFALDA AVELAR
ENVIADA ESPECIAL A BRASÍLIA

SILVIO CIOFFI
DA REDAÇÃO

Oscar Niemeyer lembra que começou a pensar nas formas dos prédios de Brasília "numa manhã de setembro de 1956". À essa altura, Juscelino Kubitschek já era presidente da República e tratava de colocar em prática a palavra de ordem de sua campanha, que prometia fazer o Brasil "avançar 50 anos em 5".
JK tinha pressa e, fixado na idéia de interiorizar o desenvolvimento do país, planejava mudar a capital federal do Rio para o Planalto Central. Foi, então, à casa de Niemeyer, na estrada da Gávea, convocando-o para um passeio de carro, onde expôs a sua idéia.
"A partir desse dia, passei a viver em função de Brasília", conta o arquiteto que, em quatro anos, entre 1956 e 1960, se empenhou na construção da nova capital.
Hoje Brasília é uma quarentona e Niemeyer, de 92 anos, lembra com saudade dos tempos heróicos da construção, afirmando que a capital federal tem uma característica que o agrada muito: "É uma obra de brasileiros".
"Foram brasileiros que a idealizaram, desenharam e construíram; brasileiros foram os artistas que nela colaboraram e, também, os materiais empregados."
Para Niemeyer, "foi essa vontade e essa determinação que permitiram, pela primeira vez, que uma capital fosse construída em apenas quatro anos". Passados 44 anos daquela manhã de setembro, o arquiteto concedeu à Folha a seguinte entrevista.

Folha - Construir uma cidade inteira para ser capital é um dado raro na biografia de um arquiteto. Como foi que o sr. recebeu o convite de JK para projetar Brasília?
Oscar Niemeyer -
A arquitetura de Brasília começou em Pampulha (1942-3), quando Juscelino Kubitschek era prefeito de Belo Horizonte.
Foi a mesma correria, o mesmo problema de tempo e de verbas, o mesmo desejo de criar a surpresa desejada e de fazer uma coisa diferente, capaz.

Folha - Brasília foi divisor de águas na sua carreira de arquiteto? Como foi construir a capital no "meio do nada", em pleno Planalto Central? Em algum momento o sr. duvidou que a capital federal fosse ficar pronta no tempo planejado? E as saudades do Rio?
Niemeyer -
Brasília obrigou-me apenas a estudar prédios diferentes. A pensar nos problemas da unidade arquitetural, sempre preocupado com a idéia de que ela deveria estar pronta em apenas quatro anos.
E, é claro, tivemos problemas pela frente. Faltavam programas indispensáveis aos projetos iniciados. E aquela solidão, a falta de conforto. Parecia que estávamos no fim do mundo.
Recordo o grande barracão onde trabalhávamos, o telhado de zinco, e me espanta lembrar que foi ali, com o maior desconforto, que projetamos todos os palácios da nova capital.
É evidente que procuramos reagir contra tudo isso. De JK e de Israel Pinheiro, seu braço direito, tínhamos todo o apoio e podíamos fazer o que bem entendêssemos -uma liberdade desejada, mas que, sem dúvida, mais responsabilidade nos dava na execução dos nossos projetos.

Folha - Os custos da construção corresponderam aos orçados? Qual era o clima das pessoas envolvidas na construção? O sr. vinha regularmente ao Rio?
Niemeyer -
Nunca cuidei dessa parte financeira. O importante era projetar a nova capital, fazê-la bonita como JK sonhava. E isso criava o clima de entusiasmo e determinação que a construção de Brasília exigia.
Lembro-me com saudades daqueles tempos. O trabalho de sol a sol, e nós, engenheiros, arquitetos e operários, a vivermos as mesmas inquietações, os mesmos desconfortos, num ambiente de igualdade que, antes disso tudo, não conhecíamos.
Era como se a vida tivesse evoluído e, assim, a discriminação e a injustiça, que ainda existem neste estranho mundo, desaparecido.
Infelizmente isso durou pouco. Brasília foi inaugurada no dia 21 de abril de 1960, vieram os homens de negócios e do poder e, com eles, essa sociedade de classes que precisamos modificar.

Folha - O que o sr. sentiu no dia da inauguração? Seus colegas arquitetos de outras partes do mundo comentaram esse dia? Quando é que Le Corbusier, seu mestre, visitou Brasília pela primeira vez?
Niemeyer -
Satisfeito, vi as festas de longe, muito fraque, muito luxo para mim.
E Brasília é discutida até hoje.
O arquiteto Le Corbusier visitou a capital depois de ela ser inaugurada e, ao subir a rampa do Congresso e ver as grandes cúpulas construídas, não se conteve e disse: "Aqui há invenção."

Folha - Se o sr. fosse sugerir um passeio por Brasília, que roteiro seria o mais indicado?
Niemeyer -
Aos visitantes de Brasília, digo o seguinte: "Vocês vão ver os palácios, podem deles gostar ou não, mas nunca dizer terem visto antes coisa parecida". E isso é importante.

Folha - Qual é o edifício que mais lhe agrada? O palácio do Itamaraty, o do Planalto ou a catedral?
Niemeyer -
O Itamaraty serve de pausa para as pessoas se prepararem para compreender uma arquitetura mais criativa. A da catedral, por exemplo.

Folha - Em termos de arquitetura, o que falta a Brasília? O sr. foi criticado depois da inauguração? Qual crítica considera a mais absurda?
Niemeyer -
Não critico colegas, nem tomo conhecimento de críticas feitas à minha arquitetura. Não acredito numa arquitetura ideal, obediente a princípios preestabelecidos. Seria a vitória da repetição e da monotonia.
Não vejo a arquitetura que faço como o caminho a seguir. É a minha arquitetura, a arquitetura mais livre e criativa que prefiro. Cada arquiteto deve ter a sua própria arquitetura.

Folha - Consta que o sr. não gosta de viajar de avião -e que prefere fazer a viagem entre o Rio e Brasília de carro...
Niemeyer -
Já viajei muito de avião, mas detesto voar. E só em situações muito especiais cometo essa imprudência!

Folha - Quando o sr. chega a Brasília, qual é a primeira coisa que costuma fazer? Ir a algum lugar?
Niemeyer -
A primeira coisa que faço quando chego a Brasília é telefonar para os amigos.

Folha - Como o sr. vê a relação entre a sua arquitetura e a política? Se Brasília fosse feita hoje, no mesmo lugar, ela seria muito diferente?
Niemeyer -
A relação entre a política e a minha arquitetura é fácil de explicar: gostavam do que eu fazia e me convocavam.
Política nunca prevaleceu nas nossas conversas. Julgavam-me equivocado -e eu deles pensava o mesmo. Com relação a Brasília... Brasília foi um sonho difícil de se repetir. O sonho de um presidente, Juscelino, um presidente que amava o seu país.

 

 

---

 

Dimensões e arquitetura da cidade inaugurada em 60 surpreendem jornalista européia
Capital transcende fronteiras

(2 de Outubro de 2000)

 

MAFALDA AVELAR
ENVIADA ESPECIAL A BRASÍLIA

Liberdade infinita é o sentimento que vem à flor da pele quando se chega a Brasília, convertida em capital do país em 21 de abril de 1960. A sensação de espaço sem fronteiras que nos coloca perante uma grande desvantagem face à nossa dimensão humana é constrangedora e, simultaneamente, motivadora. O mundo é grande, e o homem consegue construir aquilo que quiser, onde pretender. Essa é a teoria que é comprovada após uns breves minutos na capital.
O planalto e a visão sem limites não enganam. O espaço ilimitado é transcendente. Poucas são as cidades no mundo que hoje conseguem ter essa característica. Parece que não aterramos de avião, mas de uma aeronave espacial.
A ousadia e a beleza estética estão concentradas em Brasília de uma forma ímpar.
Tudo parece ter sido pensado e planejado até o mínimo pormenor com o objetivo de não se ouvirem queixas. Se Brasília fosse menor, quase me atreveria a compará-la a uma casa de bonecas muito bem desenhadinha.
Tenho que confessar que fiquei fascinada pela arquitetura e pelo urbanismo da cidade. O que antes era uma das minhas últimas prioridades, enquanto turista no Brasil, tornou-se um local a não deixar de visitar. É totalmente diferente de tudo a que uma européia está habituada. A dimensão é outra. As avenidas são grandes, os edifícios são altos, tudo é grande. Tudo à escala, pelo menos geográfica, do Brasil.
Mas o que mais surpreende é o fato de a ruptura com o urbanismo clássico não chocar nem os conservadores. Obviamente não estamos a falar de uma cidade com um grande passado. Mas de uma cidade de um passado bem presente na vida dos brasileiros e que em termos arquitetônicos bate todos os recordes. "50 anos em 5" não é mito, é realidade.
Brasília, capital de um país gigante, é mística. Toda ela brilha e a luz cega os olhos mais sensíveis, que não aguentam tanto poder concentrado. Para chegar lá basta ocupar um lugar político, ou de afins, na sociedade brasileira. Para desbravar o terreno e chegar à terra prometida que já tinha sido avistada, em sonhos, mesmo antes de qualquer promessa eleitoral em plena campanha presidencial nos anos 50, basta paciência.
O cariz e a energia que se sentem fazem-nos viajar no tempo. Tão depressa estamos perante uma realidade futurista como descemos e colocamos os pés na realidade bem brasileira. Adjetivos comparativos não existem porque não dá para comparar Brasília a nada. Ela é única.

 

 

Este post está também publicado no meu blog do Diário Económico: www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

 

publicado por Mafalda Avelar às 10:25
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 5 de Dezembro de 2012
Hoje, às 19h30, Marcelo Rebelo de Sousa apresenta "Potencial Económico da Língua Portuguesa"

"No dia 5 de dezembro de 2012, quarta-feira, pelas 19:30, no Palacete Seixas, sede do Camões-Instituto da Cooperação e da Língua, situado na Av. da Liberdade, 270 (junto ao Marquês de Pombal), o Professor Marcelo Rebelo de Sousa apresenta ao público o livro «Potencial Económico da Língua Portuguesa»”.






Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 17:51
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 4 de Dezembro de 2012
"Protagonistas da Edição". Lançamento.

Quem são? Quem são os protagonistas da Edição? Editores, designers, tradutores.... gente que faz acontecer. A palavra, a frase, o parágrafo, a imagem, o texto. A história.

 

Um registo com vida e com (muita) gente no meio de (outras) tantas páginas.

 

--

 

"A Colecção Protagonistas da Edição tem por objectivo publicar grandes entrevistas de vida aos principais agentes do livro dos últimos 50 anos, deixando assim, para memória futura, o percurso pessoal e profissional destas personalidades. O primeiro volume é dedicado a Fernando Guedes, decano da edição portuguesa, e fundador da Editorial Verbo. Os volumes seguintes serão dedicados a Carlos da Veiga Ferreira e Guilhermina Gomes." in sinopse.

 

Título: Fernando Guedes - o decano dos editores portugueses

Coleção: «Protagonistas da Edição»

Autor: Sara Figueiredo Costa

Editor: Booktailors

Apresentador: Francisco Espadinha

 

 

O lançamento está marcado para dia 5 de dezembro, na Casa Fernando Pessoa, pelas 18.30, e terá apresentação de Francisco Espadinha

 

 

 

in press- release

«[…] havia, da parte dos editores, uma maior preocupação cultural do que há hoje,

e não é porque os editores sejam piores, mas apenas porque o mercado galgou por cima de tudo.»Fernando Guedes.

 

"Esta e outras questões marcam, há vários anos, o debate no meio editorial, pelo que a Booktailors desafiou a jornalista Sara Figueiredo Costa a realizar entrevistas de vida a editores, designers e tradutores que marcam a história da edição em Portugal. Fernando Guedes, fundador da Editorial Verbo, é o protagonista deste 1.º volume, que aborda os desafios da edição em paralelo com o retrato de uma das suas mais importantes figuras. O lançamento está marcado para dia 5 de dezembro, na Casa Fernando Pessoa, pelas 18.30, e terá apresentação de Francisco Espadinha.

Do advento dos livros nos hipermercados às futuras eleições da APEL, das primeiras participações na Feira de Frankfurt à integração da Verbo no grupo Babel, Fernando Guedes não se furta a temas ou a incómodos. Uma perspetiva lúcida e abrangente de um setor que passou de familiar a multinacional."






Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 17:16
link do post | comentar | favorito
"A Banca em Portugal e a Economia Verde"

Sofia Santos é a convidada de Mafalda de Avelar. O seu livro "A Banca em Portugal e a Economia Verde" é analisado no "Ideias em Estante" de 4 de Dezembro de 2012.

 

 

 

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 16:35
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2012
A importância da base das Lajes!

Livro em análise: "Lisboa, os Açores e a América" (Almedina), de José Filipe Pinto

 

"Portugal deve assumir-se como um país de articulação e fronteira"

 

AUTOR APRESENTA A IMPORTÂNCIA DA BASE DAS LAJES PARA A DEFESA NORTE-AMERICANA. E FALA, LÊ-SE NAS ENTRELINHAS, DE UMA CERTA MIOPIA EM RELAÇÃO A ESTE TEMA, QUE É ESTRATÉGICO PARA PORTUGAL.

 

É um dos assuntos nacionais do momento. A diminuição da presença norte-americana na base das Lajes , nos Açores. Em momento oportuno, José Filipe Pinto, professor catedrático da Universidade Lusófona, lança a obra " Lisboa, os Açores e a América". Um livro que merece a pena ser lido para um melhor entendimento deste precioso triângulo. Em entrevista, o autor afirma que Portugal necessita de elaborar um "conceito estratégico nacional". Leia abaixo algumas respostas do autor, que é o convidado da " Ideias em Estante ", que será emitida na próxima semana.

 

Diminuição da presença Americana nas Lajes . Como vê esta situação?

Vejo esta diminuição como um facto perfeitamente previsível e que, para mal dos trabalhadores portugueses da base e para a economia da Ilha Terceira, não foi devidamente acautelado do lado português.

Era uma decisão previsível porque os norte-americanos - que vieram para os Açores, "without any rental provision" - têm um longo historial de tentativas de desvalorização da importância estratégica da Base das Lajes , como forma de fragilizar a posição negocial por parte de Portugal.

Como Portugal não soube tirar partido do activo de que dispõe e fez dos empregos - directos e indirectos - na base a principal razão do Acordo, os EUA podem poupar verbas do seu Orçamento da Defesa e continuar a usufruir da base lançando para o desemprego uma mão-de-obra que a economia local não vai conseguir absorver.

 

Qual a importância do triângulo: Lisboa, Açores e América?

Este triângulo é muito importante para a segurança do Atlântico Norte, da América do Norte e da União Europeia numa conjuntura em que a subida aos extremos deixou de ser monopólio dos Estados que se vêem desafiados por poderes erráticos e que movimentam verbas muito elevadas.

Numa altura em que discute a inevitabilidade da criação de uma SATO ou de uma ATO para garantir a segurança em todo o Atlântico, este triângulo assume uma importância ainda maior devido à condição simultaneamente europeia e lusófona de Portugal.

Como é que Portugal pode tirar partido da nossa situação geográfica?

Na actualidade, Portugal, para além da fronteira geográfica, praticamente convertida em mero apontamento administrativo, dispõe de uma fronteira de segurança - a NATO -, de uma fronteira cultural - a CPLP - e de uma fronteira político-económica - a União Europeia.

Face a esta multiplicidade de fronteiras, Portugal deve assumir-se como um país de articulação e fronteira entre os vários espaços a que pertence.

Afinal, da nossa língua vê-se o mar e a terra para cujo desenvolvimento a nossa diáspora tanto contribui.

 

E hoje o que pode Portugal fazer para valorizar o seu activo estratégico?

Portugal necessita de elaborar um conceito estratégico nacional - o eixo da roda de Adriano Moreira - que defina o papel de Portugal no Mundo. Trata-se de um projecto que não pode ser de um Governo, mas de um Povo e, como tal, é urgente o debate colectivo sobre o país que queremos e que estamos em condições de construir. Um conceito estratégico nacional que, mais do que colocar a esperança num rei vencido, assente na certeza de que é possível limitar a condição exógena sem cair em isolacionismos redutores e impossíveis.

 

" Base das Lajes : jogos de poder ou rapina de soberania?". Qual a razão para a escolha deste subtítulo?

A escolha do subtítulo resulta de dois factores primeiro tem a ver com a circunstância de a obra se inserir no âmbito da Ciência Política e das Relações Internacionais, áreas onde as noções de "poder" e "soberania" são fundamentais. A circunstância de tanto os Açores como os Estados Unidos da América terem como símbolos duas aves de rapina ajudou à ligação dos conceitos.

O segundo prende-se com a pertinência de explicar a forma como Portugal não tem sabido rentabilizar a Base das Lajes . Por isso, a obra procura saber se este subaproveitamento é resultado de culpa própria ou de uma atitude imposta pela superpotência norte-americana. Daí a forma interrogativa.

 

(Este texto foi publicado na "Ideias em Estante" (DE) a 30/11/2012)






Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 12:22
link do post | comentar | favorito
. Grandes Reportagens

. Ideias em Estante

. Reportagens
.Livros em destaque
."o livro que me marcou"
Alberto João Jardim

António Pinto Barbosa

António de Almeida Serra

Arquimedes da Silva Santos

Carlos Carvalhas

Carlos Zorrinho

Francisco Murteira Nabo

Graça Almeida Rodriques

João Castello Branco

José Amado da Silva

José Hermano Saraiva

Leonor Beleza

Luís Portela

Manuel Serzedelo de Almeida

Valentim Xavier Pintado

Vasco Vieira de Almeida

Vítor Melícias

António de Sousa

Guilherme D´Oliveira Martins

José Veiga Simão

Pedro de Sampaio Nunes

Martins Lampreia

Agostinho Pereira de Miranda

Mª do Rosário Partidário

Carvalho da Silva

Carlos Tavares

EM BREVE: mais cerca de 50 outros ilustres convidados que ainda não estão transcritos para este blog

.resenhas de livros

- O Livro da Marca

- The Origin of Weath

- A Competitividade e as Novas Fronteiras da Economia

- Choque do Futuro

- Como a Economia Ilumina o Mundo

- Making Globalization Work

- OUTRAS

.autores entrevistados

Rampini, autor do Século Chinês


Stephen Dubner e Steven Levitt, autores de "Freakonomics"


Tim Hardford, autor de "O Economista Disfarçado"


António Neto da Silva, autor de "Globalização, Fundamentalismo Islâmico e Desenvolvimento Sustentável"


Ashutosh Sheshabalaya, autor de "Made in Índia"

.entrevistas (áudio)

Alberto João Jardim

.Novidades Editoriais

Actual Editora


Esfera dos Livros


Porto Editora


Pergaminho


Campo das Letras


blogs SAPO
.subscrever feeds