.links
.arquivos

. Maio 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Outubro 2005

.posts recentes

. Homenagem a Veiga Simão

. Ondjaki vence Prémio Lite...

. Cartas entre Drummond e J...

. "Papa Francisco - Convers...

. José Luís Peixoto o padri...

. José Gomes Ferreira e o s...

. O(s) prefácio (s) de Gasp...

. "Portugal: Dívida Pública...

. Agualusa vence Prémio Man...

. Conheça quais são as livr...

.pesquisar
 
Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2007
Partilha de um leitor - Os livros que mais me marcaram foram:
"Difícil pergunta". "Cem Anos de solidão", "Insustentável Leveza do Ser", "Primeiro amor de Samuel Beckett" . Isto por ordem de aparecimento na minha vida. Agora qual eu gosto mais? Isso é outra conversa. Esse prémio seria para " O guia da Galáxia para quem anda à boleia" de Douglas Adams." disse o F.F.

Por F.F.

Sobre os Cem Anos de Solidão, livro que conheci quando era muito novinho, provocou em mim aquilo que apenas consigo descrever como o rebentar de uma bolha. Naquele livro aprendi o que era ler, descobri o que era a imaginação, aquele mundo inventado sem limites onde o gelo é um milagre e a História se repete sem nunca ser a mesma. Gabriel G. Marquez levou-me a um mundo que eu desconhecia, e com isso fez nascer em mim uma torrente de emoções que até a altura desconhecia. São livros como estes, que contém tudo: o poder da amizade, da memória, do amor, da coragem, do ódio e do sexo que fazem uma pessoa crescer. Mais tarde tiverem a insensatez de me oferecer a Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera, e imagine a minha angustia quando descobri que o mundo da imaginação também pode ser muito doloroso, onde não há lugar para a esperança, onde a ideia do eterno retorno tem a leveza de esmagar os sonhos do homem. Aquela ironia tão típica de Kundera a provocar-me calafrios. M. Kundera entrou na minha vida no início da adolescência e devo dizer que não ajudou. Finalmente, mais maduro e cínico com a vida. Quando finalmente começamos a crescer aparece o Senhor Beckett. Nunca ninguém leu verdadeiramente antes de lido Beckett. O seu pequeno romance Primeiro Amor é dos mais fáceis de ler na extensa obra de Samuel Beckett e sobre como me marcou recuso a partilhar. É simplesmente demasiado entranhas e intimo para o poder fazer de forma tão leviana. E no lugar de destaque. Aquele que releio e suspiro é “O Guia para quem anda á boleia” de Douglas Adams. Uma “trilogia” de 5 livros ainda não editada na totalidade em português (o que é pena) aqui o humor é rei. Mas cuidado, este livro (no original The Ultimate Hitchhiker’s Guide To The Galaxy,) é o Livro dos livros. Sobre ele e Resumindo: No início, o universo foi criado. Isto deixou muita gente furiosa e foi encarado de forma mais ou menos generalizada como tendo sido má ideia.
Dois sobreviventes são tudo o que resta da maior experiência jamais realizada. Quem esta por detrás da destruição do planeta? Quem quer acabar com os dois sobreviventes? Quem quer por fim a esta experiência perigosa (para a psicologia) e subversiva (também para a psicologia) com o objectivo de descobrir a Questão Derradeira sobre a Vida, o Universo e Tudo o Resto? Infelizmente, porém imediatamente antes do momento decisivo do anúncio da resposta, a Terra foi demolida para a construção de uma via hiperespecial.Durante sete milhões e meio de anos, Pensamento Profundo computou e calculou e, finalmente, anunciou que a resposta era “quarenta e dois”, forçando a construção de um computador ainda Maior para descobrir qual era a pergunta. E este computador, chamava-se terra, e era frequentemente confundido por um planeta. Douglas Adams dispara para tudo o que mexe, religião, politica, economia, ciência, deus e tartes de amora. Nada escapa ao humor corrosivo e cruel de Adams. O prefácio dita o seguinte: “Há uma teoria, segundo a qual, se alguém descobrissem ao certo o que é o universo e porque existe, este desapareceria imediatamente e seria substituído por algo ainda mais bizarro e inexplicável. Há outra teoria que diz que isto já aconteceu”Uma raça de seres hiperinteligentes e pandimensionais construí um supercomputador gigante chamado Pensamento Profundo para calcular, de uma vez por todas, qual seria a Resposta à Questão Derradeira sobre a Vida, o Universo e Tudo o Resto. Douglas Adams dispara para tudo o que mexe, religião, politica, economia, ciência, deus e tartes de amora. Nada escapa ao humor corrosivo e cruel de Adams. O prefácio dita o seguinte: “Há uma teoria, segundo a qual, se alguém descobrissem ao certo o que é o universo e porque existe, este desapareceria imediatamente e seria substituído por algo ainda mais bizarro e inexplicável. Há outra teoria que diz que isto já aconteceu”.


tags: ,
publicado por Mafalda Avelar às 21:33
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



.resenhas de livros

- O Livro da Marca

- The Origin of Weath

- A Competitividade e as Novas Fronteiras da Economia

- Choque do Futuro

- Como a Economia Ilumina o Mundo

- Making Globalization Work

- OUTRAS

.autores entrevistados

Rampini, autor do Século Chinês


Stephen Dubner e Steven Levitt, autores de "Freakonomics"


Tim Hardford, autor de "O Economista Disfarçado"


António Neto da Silva, autor de "Globalização, Fundamentalismo Islâmico e Desenvolvimento Sustentável"


Ashutosh Sheshabalaya, autor de "Made in Índia"

.entrevistas (áudio)

Alberto João Jardim

.Novidades Editoriais

Actual Editora


Esfera dos Livros


Porto Editora


Pergaminho


Campo das Letras


blogs SAPO
.subscrever feeds