.Relógios do Mundo
Clique aqui para saber as horas em qualquer parte do Mundo

.Para o leitor

Qual o livro que mais o marcou? Partilhe aqui a sua opinião!


What is the book of your life? Share your opinion here!


Deixe os seus comentários e sugestões aos artigos do Blog. É fácil, não necessita de registo e torna este Blog mais interessante com o seu contributo. Para saber mais clique aqui



.Mais sobre mim
. Sobre a Mafalda




.links
.arquivos

. Maio 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Outubro 2005

.posts recentes

. Homenagem a Veiga Simão

. Ondjaki vence Prémio Lite...

. Cartas entre Drummond e J...

. "Papa Francisco - Convers...

. José Luís Peixoto o padri...

. José Gomes Ferreira e o s...

. O(s) prefácio (s) de Gasp...

. "Portugal: Dívida Pública...

. Agualusa vence Prémio Man...

. Conheça quais são as livr...

.pesquisar
 
Quinta-feira, 26 de Abril de 2007
Enviado por Joana Alarcão - Tribal workers
Tribal workers

Today's generation of high-earning professionals maintain that their personal fulfillment comes from their jobs and the hours they work. They should grow up, says Thomas Barlow


Copyright The Financial Times Limited

Tribal Workers Part I

A friend of mine recently met a young American woman who was studying on a Rhodes Scholarship at Oxford. She already had two degrees from top US universities, had worked as a lawyer and as a social worker in the US, and somewhere along the way had acquired a black belt in kung fu.

Now, however, her course at Oxford was coming to an end and she was thoroughly angst-ridden about what to do next. Her problem was no ordinary one. She couldn't decide whether:


1. she should make a lot of money as a corporate lawyer/management consultant
2. devote herself to charity work helping battered wives in disadvantaged communities
3. or go to Hollywood to work as a stunt double in kung fu films.


What most struck my friend was not the disparity of this woman's choices but the earnestness and bad grace with which she ruminated on them. It was almost as though she begrudged her own talents, opportunities and freedom - as though the world had treated her unkindly by forcing her to make such a hard choice.

Her case is symptomatic of our times. In recent years, there has grown up a culture of discontent among the highly educated young, something that seems to flare up, especially, when people reach their late 20s and early 30s. It arises not from frustration caused by lack of opportunity, as may have been true in the past, but from an excess of possibilities.


Tribal Workers Part II

Most theories of adult developmental psychology have a special category for those in their late 20s and early 30s.

Whereas the early to mid-20s are seen as a time to establish one's mode of living, the late 20s to early 30s are often considered a period of reappraisal.

In a society where people marry and have children young, where financial burdens accumulate early, and where job markets are inflexible, such reappraisals may not last long. But when people manage to remain free of financial or family burdens , and where the perceived opportunities for alternative careers are many, the reappraisal is likely to be angst-ridden and long lasting.

Among no social group is this more true that the modern, international, professional elite: that tribe of young bankers, lawyers, consultants and managers for whom financial, familial, personal, corporate and (increasingly) national ties have become irrelevant. Often they grew up in one country, were educated in another, and are now working in a third.

They are independent, well paid, and enriched by experiences that many of their parents could only dream of. Yet, by their late 20s, many carry a sense of disappointment: that for all their opportunities, freedoms and achievements, life has not delivered quite what they had hoped.

At the heart of this disillusionment lies a new attitude towards work. The idea has grown up, in recent years, that work should not be just a means to an end a way to make money, support a family, or gain social prestige - but should provide a rich and fulfilling experience in and of itself.

Jobs are no longer just jobs; they are lifestyle options. Recruiters at financial companies, consultancies and law firms have promoted this conception of work. Job advertisements promise challenge, wide experiences, opportunities for travel and relentless personal development.


Tribal Workers Part III

Michael is a 33-year-old management consultant who has bought into this vision of late-20th century work. Intelligent and well-educated - with three degrees, including a doctorate - he works in Munich, and has a "stable, long-distance relationship" with a woman living in California. He takes 140 flights a year and works an average of 80 hours a week. Some weeks he works more than 100 hours.

When asked if he likes his job, he will say: "I enjoy what I'm doing in terms of the intellectual challenges." Although he earns a lot , he doesn't spend much. He rents a small apartment, though he is rarely there, and has accumulated very few possessions. He justifies the long hours not in terms of wealth-acquisition, but solely as part of a "learning experience". This attitude to work has several interesting implications, mostly to do with the shifting balance between work and non-work, employment and leisure.

Because fulfilling and engrossing work - the sort that is thought to provide the most intense learning experience - often requires long hours or captivates the imagination for long periods of time, it is easy to slip into the idea that the converse is also true: that just by working long hours, one is also engaging in fulfilling and engrossing work.

This leads to the popular fallacy that you can measure the value of your job and, therefore, the amount you are learning from it) by the amount of time you spend on it. And, incidentally, when a premium is placed on learning rather than earning, people are particularly susceptible to this form of self-deceit.


Tribal Workers Part IV

Thus, whereas in the past, when people in their 20s or 30s spoke disparagingly about nine-to-five jobs it was invariably because they were seen as too routine, too unimaginative, or too bourgeois. Now, it is simply because they don't contain enough hours.

Young professionals have not suddenly developed a distaste for leisure, but they have solidly bought into the belief that a 45-hour week necessarily signifies an unfulfilling job.

Jane, a 29-year-old corporate lawyer who works in the City of London, tells a story about working on a deal with another lawyer, a young man in his early 30s. At about 3am, he leant over the boardroom desk and said: Isn't this great? This is when I really love my job."

What most struck her about the remark was that the work was irrelevant (she says it was actually rather boring); her colleague simply liked he Idea of working late. "It's as though he was validated, or making his life important by this," she says.

Unfortunately, when people can convince themselves that all they need do in order to lead fulfilled and happy lives is to work long hours, they can quickly start to lose reasons for their existence.

As they start to think of their employment as a lifestyle, fulfilling and rewarding of itself - and in which the reward is proportional to hours worked - people rapidly begin to substitute work for other aspects of their lives.

Michael, the management consultant, is a good example of this phenomenon. He is prepared to trade (his word) not just goods and time for the experience afforded by his work, but also a substantial measure of commitment in his personal relationships.

In a few months, he is being transferred to San Francisco, where he will move in with his girlfriend.But he's not sure that living in the same house is actually going to change the amount of time he spends on his relationship. "Once I move over, my time involvement on my relationship will not change significantly. My job takes up most of my time and pretty much dominates what I do, when, where and how I do it," he says.


Moreover, the reluctance to commit time to a relationship because they are learning so much, and having such an intense and fulfilling time at work is compounded, for some young professionals, by a reluctance to have a long-term relationship at all.

Today, by the time someone reaches 30, they could easily have had three or four jobs in as many different cities –which is not, as it is often portrayed, a function of an insecure global job-market, but of choice.


Tribal Workers Part V

Robert is 30 years old. He has three degrees and has worked on three continents. He is currently working for the United Nations in Geneva. For him, the most significant deterrent when deciding whether to enter into a relationship is the likely transient nature of the rest of his life.

"What is the point in investing all this emotional energy and exposing myself in a relationship, if I am leaving in two months, or if I do not know what I am doing next year?" he says.

Such is the character of the modern, international professional, at least throughout his or her 20s.

Spare time, goods and relationships, these are all willingly traded for the exigencies of work.
Nothing is valued so highly as accumulated experience. Nothing is neglected so much as commitment. With this work ethic - or perhaps one should call it a professional development ethic" - becoming so powerful, the globally mobile generation now in its late 20s and early 30s has garnered considerable professional success.

At what point, though, does the experience-seeking end?

Kathryn is a successful American academic, 29, who bucked the trend of her generation: she recently turned her life round for someone else. She moved to the UK, specifically, to be with a man, a decision that she says few of her contemporaries understood.

"We're not meant to say: 'I made this decision for this person. Today, you're meant to do things for yourself. If you're willing to make sacrifices for others - especially if you're a woman - that's seen as a kind of weakness. I wonder, though, is doing things for yourself really empowerment, or is liberty a kind of trap?" she says.

For many, it is a trap that is difficult to break out of, not least because they are so caught up in a culture of professional development. And spoilt for choice, some like the American Rhodes Scholar no doubt become paralyzed by their opportunities, unable to do much else in their lives, because they are so determined not to let a single one of their chances slip.

If that means minimal personal commitment well into their 30s, so be it."Loneliness is better than boredom" is Jane's philosophy. And, although she knows "a lot of professional single women who would give it all up if they met a "rich man to marry", she remains far more concerned herself about finding fulfillment at work.

"I am constantly questioning whether I am doing the right thing here," she says. "There's an eternal search for a more challenging and satisfying option, a better lifestyle. You always feel you're not doing the right thing, always feel as if you should be striving for another goal," she says.

Jane, Michael, Robert and Kathryn grew up as part of a generation with fewer social constraints determining their futures than has been true for probably any other generation i n history. They were taught at school that when they grew up they could "do anything", "be anything". It was an idea that was reinforced by popular culture, in films, books and television.

The notion that one can do anything is clearly liberating. But life without constraints has also proved a recipe for endless searching, endless Questioning of aspirations. It has made this generation obsessed with self-development and determined, for as long as possible, to minimize personal commitments in order to maximize the options open to them.

One might see this as a sign of extended adolescence. Eventually, they will be forced to realize that living is as much about closing possibilities as it is about creating them.

Copyright The Financial Times Limited


Well in my case I stopped being a migrant worker and started a life long commitment. But I would never trade my paste experience as a nomad for anything in the world.



Joana Alarcão

publicado por Mafalda Avelar às 17:52
link do post | comentar | favorito
|
13 comentários:
De Inês Branco a 26 de Abril de 2007 às 19:23
Olá!
Este artigo está excelente.
Claro que há muitas nuances, consoante a experiência de cada um.
Posso dizer que tenho 30 anos, fiz o Cont@cto com 24, depois entrei para a PricewaterhouseCoopers, para consultoria, depois passei pela IBM e pela Novabase.
O bom deste tipo de trabalhos é realmente a aprendizagem que exigem, mas não posso deixar de dizer que é preciso gostar mesmo muito do que se faz.
Tinha colegas meus que tinham exactamente esta visão: o que é bom é trabalhar muitas horas e os trabalhos das 9 às 5 são para incompetentes.
Eu discordo. Devemos ser produtivos, mas no horário de trabalho. A nossa sociedade só pode evoluir se produzirmos, sim, mas também se tivermos tempo para nos educar a nós próprios e à nossa família e para sermos solidários com os que nos rodeiam.
Eu não gostava deste tipo de trabalho tanto pelo ritmo em si, como pela própria actividade. Mas isto já é uma questão de gostos e consigo conceber perfeitamente que um consultor possa adorar aquilo que faz. Agora estou a dedicar-me à área do jornalismo.
É muito importante tirar satisfação do nosso trabalho, mas não menosprezando a nossa vida pessoal, os nossos afectos. Tanta frustação pode vir de não termos uma coisa, como de não termos a outra.

Consordo com o Thomas Barlow "We should grow up".

Já agora, é engraçadp ver como este "fenómeno" é comum em vários países.
De Joana Alarcão a 26 de Abril de 2007 às 20:08
É isso mesmo!
De repente descobrimos que existe uma geração mundial que partilha uma mesma atitude. Que passou por várias experiências diferentes, adquiriu novas competências, tentando, como que, afunilar o mundo...Não no sentido de tornar tudo homogéneo, mas procurando uma globalização sustentável. Só possível com uma plataforma de diálogo que esteja acima do choque de civilizações.
De Mafalda Avelar a 26 de Abril de 2007 às 20:56
Olá Inês!
Obrigada pelo post e Parabéns pelo teu blog!
vou começar a escutar-te e a ler as tuas palavras!
De Sem nome a 26 de Abril de 2007 às 20:06
Escolhi não ter nome. Não que não o tenha( como é óbvio) mas porque quero partilhar convosco a minha expriência sem dar a cara. Não é fácil dar a cara. "Esse é o grande problema dos blogs, dizem uns". Outros porém exclamarão:" dá a cara palerma!". Tentando ser imune aos comentários ( algo que não sou e que creio que ninguém "o é", digo-vos que gostei muito deste artigo. A geração que hoje tem entre 30 e 40 não vive de forma fácil. As escolhas diárias não são fáceis. Não é fácil ter " a chamada ambição" - querer o "todo" ( seja lá ele o significar". E, simultaneamente querer ter qualidade de vida. Não me venham com histórias... quem nos dias de hoje ocupa cargos de chefia ( e de grande responsabilidade) tem um saldo negativo na balança do deve e haver entre horas pessoas vs profissionais. Não tem como não ter. Quem dá "ao litro" só o consegue nos dias de hoje dedicando muito do seu tempo pessoal à sua vida profissional. De tal forma que a profissão passa a fazer da vida pessoal. Confundem-se os amigos com os colegas, os contactos profissionais com os pessoais... é a confusão que provoca ainda mais dor no fim do dia. "Por que é que eu não dei mais atenção ao namorado, ao primo, à mulher". O peso na consciencia começa a pesar. E, para compensar nada melhor do que oferecer aquilo que nem só os sentimentos podem dar. Os sentimentos e os gestos são o mais importante na vida. Mas até mesmo para ter alguns deles (DIGO: alguns deles) às vezes é necessário ter forma de os obter. E, ai o trabalhador arduo muitas vezes está em vantagem. Nao me refiro à vantagem financeira (até porque nem sempre "horas de trabalho" e "salario" estão directamente relacionados, mas sim da moral). Quem dá muito daquilo que tem a ponto de se apaixonar e de viver para aquilo que faz, na maioria das vezes, realiza-se mais depressa. Claro que a frustação também é maior quando se falha. Mas no final, quem procura e quem luta por algo... sempre ganha. Pode nem sempre ser a guerra mas, às vezes, a simples batalha.
Oh geração de incompreendidos!
Oh geração de lutadores! que se não forem à guerra saem vencidos
oh geração dos 30, dos 40...
só vos peço que nunca se esqueçam que a vida é para ser vivida. Trabalhem sim. Merece a pena sentir que construimos. Mas divertam-se também. E, nunca mas nunca deixem que a vossa produtividade seja afectada porque.... simplesmente parece bem permanecer no escritorio. Lutem contra isso. e, JÁ AGORA: não se esqueçam de mostrar resultados para serem realmente compreendidos.

Quanto à expriência pessoal ( à minha) vos digo: foi boa. Andei por fora, por lugares longuiquos. Conheci gentes e lugares - alguns que (sendo tantos) já esqueci na memoria. Mas não os apaguei. Eles hoje fazem parte do tesouro que guardo dentro de mim. Um tesouro construido por gentes de idades e nacionalidades diferentes. O maior dos tesouros- aquele que nenhum dinheiro pode comprar e que ironicamente nunca teria conseguido sem o gastar. A ele ao dinheiro que muitos querem; mas que nem todos sabem usar.
De Blair a 26 de Abril de 2007 às 20:11
Hey Mafalda! That is a great article...and you have a great blog too!

Hope you are well,

Blair
De Mafalda Avelar a 26 de Abril de 2007 às 20:39
Hi Blair! How are you doing?
where are you? in london? or dc?
do you want to share with us your exprience?bjnhos
De Mafalda Avelar a 26 de Abril de 2007 às 20:39
Hi Blair! How are you doing?
where are you? in london? or dc?
do you want to share with us your exprience?bjnhos
De Inês Branco a 26 de Abril de 2007 às 21:23
Há mesmo quem diga (veio a propósito do 25 de Abril) que a próxima "revolução" vai ser dentro sociedade. Não mais contra qualquer tipo de ditadura, mas por uma nova ordem social. Isto irá exigir uma grande capacidade organizativa, porque não basta fazer a revolta e "pronto" já está.
As pessoas hoje perdem imenso tempo na deslocação para o trabalho, trabalham muito tempo e não lhes sobre tempo para fazer o necessário para desenvolver a sociedade. Como disse no post anterior, fala-lhes tempo para investir na sua eduação e na das futuras gerações.
Esta nova ordem social exigirá a deslocação das empresas de serviços para outros pontos do país, e descentralização das universidades, para que as pessoas possam trabalhar perto do sítio onde vivem e para estudem e desenvolvam as suas próprias regiões.
No caso de Lisboa, a maioria das pessoas moram fora e trabalha dentro da cidade. Isto tem consequências a muitos níveis: muito mais poluição, perda de tempo, menos dedicação ao trabalho, família e lazer, péssima urbanização e sobre-população nos subúrbios, envelhecimento da população dentro da cidade... Até se as pessoas morassem mais perto do trabalho e passassem mais tempo nos seus bairros, poderiam dar atenção aos idosos que ali vivem. Será necessário acabar com os lobbies do cimento e da construção. Serão soluções utópicas? Acho que não. Talvez difíceis de levar a cabo.
De Diogo a 27 de Abril de 2007 às 10:14
Oyé Mafalda, ahí lo tienes mí comentario… Haber si nos vemos pronto.

Besos,

Diogo.

ESTOU ALÉM

Não consigo dominar
Este estado de ansiedade
A pressa de chegar
P'ra não chegar tarde

Não sei de que é que eu fujo
Será desta solidão
Mas porque é que eu recuso
Quem quer dar-me a mão

Vou continuar a procurar
A quem eu me quero dar
Porque até aqui eu só:
Quero quem eu nunca vi
Porque eu só quero quem
Quem não conheci
Porque eu só quero quem
Quem eu nunca vi
Porque eu só quero quem
Quem eu nunca conheci
Porque eu só quero quem
Quem eu nunca vi

Esta insatisfação
Não consigo compreender
Sempre esta sensação
Que estou a perder

Tenho pressa de sair
Quero sentir ao chegar
Vontade de partir
P'ra outro lugar

Vou continuar a procurar
O meu mundo
O meu lugar
Porque até aqui eu só:
Estou bem aonde não estou
Porque eu só quero ir
Aonde eu não vou
Porque eu só quero estar
Aonde não estou
Porque eu só estou bem
Aonde não estou

António Variações
De renato a 27 de Abril de 2007 às 11:28
brilhante escolha!

ansiedades partilhadas... nada melhor para juntar um grupo num blog!

;-)

R.
www.kayakweru.blogspot.com
De MSP a 27 de Abril de 2007 às 11:37
Penso que fiz a melhor opção, com um pouco dos dois mundos, aproveito agora para, com a experiência excepcional na bagagem, tentar realizar-me mais no lado pessoal criando uma família, deixando a adolescência tardia que ataca tantos dos nossos conhecidos e amigos, e aos poucos, depois de ter a família encaminhada, voltar a reforçar o empenho no lado profissional da vida, sem o descorar entretanto (sem horários loucos que nos sugam a energia para tudo o resto). Sempre com calma, saboreando, mas com a determinação de me ir realizando, de me ir encontrando, quer no lado pessoal quer no lado profissional, de ser feliz de verdade, segundo o meu sentir, segundo o meu critério...
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Penso que fiz a melhor opção, com um pouco dos dois mundos, aproveito agora para, com a experiência excepcional na bagagem, tentar realizar-me mais no lado pessoal criando uma família, deixando a adolescência tardia que ataca tantos dos nossos conhecidos e amigos, e aos poucos, depois de ter a família encaminhada, voltar a reforçar o empenho no lado profissional da vida, sem o descorar entretanto (sem horários loucos que nos sugam a energia para tudo o resto). Sempre com calma, saboreando, mas com a determinação de me ir realizando, de me ir encontrando, quer no lado pessoal quer no lado profissional, de ser feliz de verdade, segundo o meu sentir, segundo o meu critério... <BR class=incorrect name="incorrect" <a>MSP</A>
De Rodrigo Pinto de Campos - São Paulo, BR a 27 de Abril de 2007 às 22:48
Olá, Mafalda!

Desculpe os termos em "Português brasileiro", mas vamos lá: recebi indicação para acessar o seu blog pela MSP (que 'postou' um comentário acima), com quem tive o privilégio de conviver como colega de trabalho durante a experiência dela aqui no Brasil em 2002 e 2003, e com quem mantenho, até hoje, uma fraterna amizade. Parabéns pela escolha do texto, muito oportuno e sintomático da geração que atualmente está mais ou menos na faixa dos 30 anos, como é o meu caso (31). Entre os meus amigos brasileiros, esse tipo de inquietação psíquico-intelectual também é bastante latente. Os que deixaram deslanchar a carreira em detrimento de relações amorosas e familiares mais estáveis começam a se questionar sobre sua escolha. Os que, ao contrário, privilegiaram o segundo modelo também pensam não ter feito a melhor opção. Penso que o moral da história é: trabalhe com o que gosta, tenha paixão pelo que faz, mas não deixe de viver a sua vida. Simples assim. Mas tão difícil na prática, não? Saudações de um "blogueiro" (como chamamos aqui os que têm seus próprios blogs) de São Paulo, Brasil,
Rodrigo
De Deana Barroqueiro a 29 de Abril de 2007 às 02:55
Gostaria de dizer à nossa cara Inês Branco que a minha geração (tenho 61 anos) ou pelo menos parte dela, quis fazer exactamente com esse 25 de Abril uma "revolução dos cravos", por uma nova ordem social. Para que as gerações futuras, sobretudo a que viria a seguir à sacrificada nossa, tivessem a possibilidade e a facilidade de escolha e de realização dos seus sonhos, que a muitos dos seus pais foram negadas. Na nossa "acomodada" geração, os filhos de emigrantes como eu ou de camponeses como o meu marido só excepcionalmente tinham acesso aos estudos num liceu e ainda mais raramente de uma faculdade, tendo em muitos casos de trabalhar para pagar os estudos. Mas, apesar de todos os obstáculos (ou talvez mesmo por causa eles) a maioria de nós buscava o conhecimento, o enriquecimento interior, pelo estudo, pela leitura (até os livros nos eram interditos, quanto mais as viagens, no tempo desse bem-aventurado Salazar que ainda há pouco foi votado num abominável concurso televisivo como o melhor português de sempre) e por outras possíveis e permitidas pela censura manifestações culturais. Não fomos sustentados pelos pais até aos 30 e 40 anos, como sucede actualmente em Portugal (cuja realidade é diferente da referida por Joana Alarcão - também vivi alguns anos em Inglaterra - como professora, não vejo por cá, salvo raras excepções, essa ânsia e gosto pelo trabalho e pelo estudo) e éramos cultos, tão ao mais do que nos restantes países da Europa que, todavia, não tinham os nossos índices de analfabetismo. Agora estamos na cauda da Europa e atingimos uma mediocridade sufocante, anedótica (quantos portugueses fizeram bicha para passar a pé o túnel do marquês, no dia 25 de Abril cujo significado desconhecem? Doze mil!!!), de uma falta de cultura e de saber que assusta.
Não me parece que os meus sonhos e desejos fossem diferentes dos da vossa geração. Também eu fui e continuo a ser uma workaddict, com variadíssimos e enriquecedores interesses, enquanto professora (fiz teatro, ensinei escrita criativa. só me tornei investigadora e escritora depois dos 50 anos), e o tempo chegava-me para tudo, até para lutar por melhores condições de vida e mais dignidade para o meu próximo. Por isso, continuo a desejar mil vezes que neste país os jovens possam vir a ter esses trabalhos tão absorventes e enriquecedores, em vez de permanecerem eternos Peter Pans.

Deana Barroqueiro (professora e escritora)

Comentar post

. Grandes Reportagens

. Ideias em Estante

. Reportagens
.Livros em destaque
."o livro que me marcou"
Alberto João Jardim

António Pinto Barbosa

António de Almeida Serra

Arquimedes da Silva Santos

Carlos Carvalhas

Carlos Zorrinho

Francisco Murteira Nabo

Graça Almeida Rodriques

João Castello Branco

José Amado da Silva

José Hermano Saraiva

Leonor Beleza

Luís Portela

Manuel Serzedelo de Almeida

Valentim Xavier Pintado

Vasco Vieira de Almeida

Vítor Melícias

António de Sousa

Guilherme D´Oliveira Martins

José Veiga Simão

Pedro de Sampaio Nunes

Martins Lampreia

Agostinho Pereira de Miranda

Mª do Rosário Partidário

Carvalho da Silva

Carlos Tavares

EM BREVE: mais cerca de 50 outros ilustres convidados que ainda não estão transcritos para este blog

.resenhas de livros

- O Livro da Marca

- The Origin of Weath

- A Competitividade e as Novas Fronteiras da Economia

- Choque do Futuro

- Como a Economia Ilumina o Mundo

- Making Globalization Work

- OUTRAS

.autores entrevistados

Rampini, autor do Século Chinês


Stephen Dubner e Steven Levitt, autores de "Freakonomics"


Tim Hardford, autor de "O Economista Disfarçado"


António Neto da Silva, autor de "Globalização, Fundamentalismo Islâmico e Desenvolvimento Sustentável"


Ashutosh Sheshabalaya, autor de "Made in Índia"

.entrevistas (áudio)

Alberto João Jardim

.Novidades Editoriais

Actual Editora


Esfera dos Livros


Porto Editora


Pergaminho


Campo das Letras


blogs SAPO
.subscrever feeds