.Relógios do Mundo
Clique aqui para saber as horas em qualquer parte do Mundo

.Para o leitor

Qual o livro que mais o marcou? Partilhe aqui a sua opinião!


What is the book of your life? Share your opinion here!


Deixe os seus comentários e sugestões aos artigos do Blog. É fácil, não necessita de registo e torna este Blog mais interessante com o seu contributo. Para saber mais clique aqui



.Mais sobre mim
. Sobre a Mafalda




.links
.arquivos

. Maio 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Outubro 2005

.posts recentes

. Homenagem a Veiga Simão

. Ondjaki vence Prémio Lite...

. Cartas entre Drummond e J...

. "Papa Francisco - Convers...

. José Luís Peixoto o padri...

. José Gomes Ferreira e o s...

. O(s) prefácio (s) de Gasp...

. "Portugal: Dívida Pública...

. Agualusa vence Prémio Man...

. Conheça quais são as livr...

.pesquisar
 
Terça-feira, 23 de Abril de 2013
Leya apanha boleia e oferece livros em transportes públicos

Se apanhou de manhã algum transporte público, dentro da Grande Lisboa, possivelmente já recebeu "um presente" neste Dia Mundial do Livro.

 

O grupo Leya, desenvolvendo uma acção de marketing pioneira, está a distribuir, nos transportes públicos da Grande Lisboa, livros. No total serão distribuídas, durante o dia de hoje, 20 mil obras.

A iniciativa realiza-se, hoje, até às 19h30 nas linhas da Carris, da CP, da Transtejo e do Metro.

 

"Resolvemos assinalar o Dia Mundial do Livro de uma forma diferente", afirma José Menezes, director de Comunicação do Grupo Leya. Para José Menezes esta acção tem dois objectivos: distribuir livros aos utilizadores dos transportes públicos de Lisboa e permitir que os colaboradores do grupo Leya tenham contacto com os leitores. São 70 os funcionários da Leya que estão na rua a distribuir livros de todos os géneros literários, “tendo assim contacto directo com os leitores”.

 

O grupo Leya, que nasceu em 2008, pelas mãos do empresário Miguel Pais do Amaral, está presente em Portugal,  Angola, Brasil e Moçambique.  O grupo conta com 17 editoras.  

 

Conheça aqui onde pode receber um livro. E boas leituras!

  

23 de Abril 2013 – horários e locais da iniciativa

 

CP

Horário : 08h - 11h

Linha de Cascais

Linha de Sintra

Linha da Azambuja

Linha do Sado

 

METRO

Horários:  13h – 14h; 17h30 – 19h

Estação Cais do Sodré

Estação Marquês de Pombal

 

CARRIS

Horários : 13h – 14h ; 17h30 – 19h (interior dos veículos)

Carreiras: 15E (eléctrico), 728, 736 e 783

 

TRANSTEJO

Horário : 17h30 – 19h30 (salas de embarque)

Terminal Fluvial do Cais do Sodré                  

Terminal Fluvial do Terreiro do Paço           

 

 

Este post também foi publicado em Livros&Ecolemomanias.

publicado por Mafalda Avelar às 13:32
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Abril de 2013
Acabou a Feira do Livro no Porto!!! (???)

In Lusa: "APEL suspende edição de 2013 de Feira do Livro no Porto"

 

Porto, 18 abr (Lusa) - A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros

(APEL) suspendeu a edição de 2013 da Feira do Livro no Porto por "falta

de condições financeiras", informa hoje a câmara, que "lamenta" tal

decisão e garante organizar uma alternativa.

A APEL "optou pela suspensão da feira no ano em curso, alegando falta de

condições financeiras para a sua realização, tanto mais que admite a

possibilidade de se vir a registar um avultado prejuízo por força da

forte quebra nas vendas, que facilmente se adivinha neste dramático

cenário económico-social em que estamos mergulhados", refere comunicado

da Câmara Municipal do Porto.

A autarquia recorda o acordo feito em 2009 com a APEL para "o regresso da

Feira do Livro à Av. dos Aliados", tendo para o efeito celebrado um

protocolo no valor de 300 mil euros, repartidos ao longo de quatro anos,

destinados ao investimento em novos equipamentos.

Tal apoio, explica, "correspondia ao valor das prestações para

amortização do investimento feito no 'leasing' operacional dos novos

stands, que ficariam liquidados no final dos quatro anos de vigência do

contrato, pelo que restaria agora, em cada feira, apenas o custo

correspondente à sua manutenção, montagem e desmontagem".

Contudo, "ainda em 2012, a APEL solicitou o apoio do município para a

realização da Feira do Livro 2013, assente naqueles que foram os

pressupostos do protocolo anterior, reforçando a insuficiência da verba

anual de 75 mil euros a que correspondeu o apoio anual decorrente do

protocolo atrás referido, invocando o desdobramento por mais um ano do

'leasing operacional' dos stands, em razão da necessidade de recuperação

de parte daquele equipamento por se encontrar em deficientes condições de

utilização".

"O Município do Porto viu-se assim confrontado com uma situação

inesperada, tendo comunicado à APEL que era inviável o apoio financeiro

excecional nos mesmos moldes e valores do que fora pago nas últimas

quatro edições da Feira do Livro", acrescenta o comunicado.

A câmara garante ter manifestado à APEL "disponibilidade para continuar a

apoiar tão importante iniciativa, nomeadamente a ceder gratuitamente,

para o efeito, a plataforma central da Av. dos Aliados, isentando a

organização de todas as taxas e licenças, e assegurando apoio logístico

na segurança e na limpeza dos espaços de circulação", apoios que a

associação considerou insuficientes.

"A Câmara do Porto compreende e lamenta a decisão da APEL" e assegura ter

"já em preparação uma iniciativa que permita, no próximo mês de julho,

proporcionar aos portuenses um evento de lazer e cultura que colmate, na

Avenida dos Aliados, esta suspensão da Feira do Livro", remata.

 

LIL // MSP

Lusa/fim

 
Este post foi também publicado em livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 20:41
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Abril de 2013
Morreu uma voz crítica "da decadência moral e social do Ocidente"

 

"Morreu o escritor e economista espanhol José Luis Sampedro" in Público.

 

"José Luis Sampedro foi um crítico acérrimo daquilo que considerava ser a decadência moral e social do Ocidente.

 

Escritor, humanista e economista. José Luis Sampedro, “um revolucionário tranquilo”, como lhe chama hoje o El Mundo por se ter tornado numa referência do 15-M, conhecido como o movimento dos “indignados”, morreu na madrugada desta segunda-feira aos 96 anos. A família só anunciou a morte esta terça-feira, já depois do funeral do escritor."

 

Leia mais aqui.

 

 

Este post foi também publicado em Livros&Ecolemomanias.

publicado por Mafalda Avelar às 16:03
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 5 de Abril de 2013
"O nosso casamento com a moeda única deve acabar"

 "O nosso casamento com a moeda única deve acabar"

 

 

ECONOMISTA APONTA AS VANTAGENS DE SAIR DO EURO: DESVALORIZAÇÃO CAMBIAL E EMISSÃO DE MOEDA. E O PROBLEMA DA INFLAÇÃO? VAI EXISTIR, MAS ESSE SERÁ UM MAL MENOR.

 

Nunca defendeu o euro. Foi contra a adesão de Portugal à moeda única e, durante algum tempo, uma das raras vozes, senão a única, que "falava contra". Apoiou, no entanto, a adesão à então Comunidade Económica Europeia (em 1986). Mas, se a União fosse então a mesma que é hoje, a minha posição teria sido diferente". Depois de o País ter entrado na zona euro - e durante algum tempo - calou-se. Não falou contra. Esteve em silêncio durante cerca de três anos. Porém, a actual situação político-económica leva-o a escrever " Porque devemos sair do Euro - O divórcio necessário para tirar Portugal da crise", livro que será lançado no próximo dia 9.

No programa 'Ideias em Estante', em entrevista que poderá ser vista no Etv e no blogue Livros&Ecolemomanias, Ferreira do Amaral - que vê com enorme tristeza o país "reduzido à sua pior situação desde há muitas décadas" - afirma que o país está bloqueado, não tem futuro, as gerações mais novas não têm emprego. E, ou têm que sair do país, ou ficam desempregadas."Há também a sensação de que o país deixou de ter capacidade de crescimento económico" e tudo isso ao mesmo tempo que as dívidas pública e externa se acumulam e atingem níveis muito elevados. "E, sem crescimento económico e com dívidas grandes e sem emprego, é evidente que toda a gente esta inquieta quanto ao futuro".

O que fazer? "Sair do euro", mas de forma organizada, defende o autor. No livro, o economista e professor recorre a uma analogia para descrever a realidade: "O nosso casamento com a moeda única, como todos os casamentos falhados, deve acabar". Defende ainda que "a ideia de sair do euro impõe-se para que seja possível incentivar a produção de bens transaccionáveis. Ou seja, de bens que são susceptíveis de exportação ou de substituição de importações". Como explica, quando se desvaloriza uma moeda, existe uma espécie de subsídio à produção da agricultura, indústria, turismo estrangeiro, outros serviços. E o inverso sucede quando temos uma moeda muito forte, esclarece Ferreira do Amaral, afirmando que, nesses casos, as actividades são penalizadas e a tendência será a da produção se virar para o mercado interno em sectores protegidos da concorrência externa. E foi isso que aconteceu. O resultado? O país não aguentou uma moeda forte. Sempre frontal, Ferreira do Amaral apresenta mais um factor de perigo: caso continuemos com a moeda única,"temos um enorme risco do euro se valorizar face ao dólar. E isso já aconteceu em 2008".

Para quem argumenta que a eventual saída do euro seria um desastre via "aumento do peso da dívida", o autor afirma que "esse é um grande erro de análise." A dívida será a mesma depois de sairmos do euro, diz, acrescentando que o instrumento normal para problemas de endividamento externo é a desvalorização cambial. Sobre o risco-país, garante que esse "não aumenta, porque se for credor fico mais descansado por saber que o país passa a ter uma moeda compatível com a sua estrutura produtiva". Alerta, no entanto, para outro problema: a dívida em moeda nacional. Mas aí "o Estado pode substituir os devedores junto da banca no montante de aumento da dívida, que resulte da desvalorização cambial", conclui.

"Sair do Euro não é só uma questão de desvalorização cambial é também uma questão de emissão monetária". Sobre a questão da inflação, Ferreira do Amaral admite que "vai existir. E vai ser maior". Mas, pergunta, "o que é pior? Ter um pouco mais de inflação, emprego e crescimento económico ou não ter inflação e o país definhar? No livro, o final dos protagonistas principais não é "e viveram felizes para sempre". Ao invés o autor advoga que o divórcio tem de acontecer.

 

Porque Devemos Sair do Euro

- O divórcio necessário para tirar Portugal da crise Autor: João Ferreira do Amaral Editora: Lua de Papel 126 páginas | 14 ¤

 

Por Mafalda de Avelar autora da coluna "Ideias em Estante", publicada no DE (5/4/13) 

 

 

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 21:21
link do post | comentar | favorito
|
"Euro Forte, Euro Fraco", de Vítor Bento, lidera TOP Económico

TOP10

Económico

Os livros de gestão

e economia mais

vendidos

de 25 a 31 de Março de 2013

 

 

1

Euro Forte, Euro Fraco

Vítor Bento

(Bnomics)

Entrevista ao autor no blogue deste espaço

 

2

As 10 Questões da Recuperação

João César das Neves

(D. Quixote)

 

Entrevista ao autor no blogue deste espaço

 

3

Modelo de Negócio EU

Timothy Clark

(Dom Quixote)

 

4

Basta!

Camilo Lourenço

(Matéria-Prima)

 

Entrevista ao autor no blogue deste espaço

 

5

A Nova Inteligência

Daniel H. Pink (Texto Editores)

 

6

Ganhar comoFacebook

Brian Carter

(Marcador)

 

7

It’s not How Good You Are, it´s How Want to Be

Paul Arden (Phaidon)

 

8

Resgatados

David Dinis e Hugo F. Coelho

(A Esfera dos Livros)

 

Entrevista disponível aqui

9

A Arte da Guerra

Sun Tzu (Evergreen)

 

10

Alto Desempenho

Zig Ziglar(Nexo Literário)

 

 

 

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 17:49
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 4 de Abril de 2013
Planeta Tangerina eleita a melhor editora europeia de livros para a infância

"Planeta Tangerina eleita a melhor editora europeia de livros para a infância", in Lusa

 

 

"A editora portuguesa Planeta Tangerina foi eleita a melhor da Europa na literatura para a infância e juventude, recebendo um prémio atribuído na Feira do Livro Infantil de Bolonha, em Itália, foi hoje anunciado. ( 26 de Março 2013).

Para assinalar 50 anos de existência, a organização da feira decidiu criar um prémio para as melhores e mais inovadoras editoras de livros para os mais novos, nos diferentes continentes do mundo.
Na Europa, a Planeta Tangerina foi eleita a melhor, numa categoria na qual estavam também nomeadas a editora francesa Editions Thierry Magnier, a checa Baobab, a italiana Edizioni EL e a alemã Beltz & Geldberg.
Em declarações hoje à agência Lusa, a escritora Isabel Minhós Martins, uma das fundadoras da editora e autora de grande parte das histórias publicadas, não escondeu o contentamento pela conquista do prémio, por significar um reconhecimento dos outros editores presentes na feira.
Com este prémio não monetário - intitulado BOP - foram ainda distinguidas editoras da América do Norte, América Central e do Sul, África, Ásia e Oceania.
De acordo com a organização, o prémio pretende homenagear as editoras que "estão na linha da frente da inovação na literatura para a infância" e que se destacaram pelas escolhas editoriais ao longo do ano anterior à feira.
A feira de Bolonha é considerada o mais importante espaço internacional de divulgação e negócio na só área do livro infantil e juvenil e a equipa da Planeta Tangerina, que inclui Isabel Minhós Martins e os ilustradores Bernardo Carvalho, Yara Kono e Madalena Matoso, tem marcado presença todos os anos.
Para o reconhecimento de hoje poderá ter contribuído também o facto de Portugal ter sido em 2012 o país convidado da feira, dando mais visibilidade externa ao mercado nacional.
Este ano a editora portuguesa conquistou ainda uma menção especial nos prémios editoriais da feira com o livro "A ilha", de João Gomes de Abreu e Yara Kono, na categoria de primeira obra.
A Planeta Tangerina tem mais de dez anos e o projeto editorial foca-se sobretudo no álbum para crianças, mas cuja leitura pode ser partilhada com os adultos.
Na página oficial na Internet a editora apresenta-se assim: "Temos como leitores não apenas as crianças, mas todos os pais e adultos que gostam de álbuns ilustrados e da sua forma única de contar histórias".
Com o catálogo já traduzido, por exemplo, para inglês, francês, italiano e coreano, este ano levaram para a feira alguns títulos novos em carteira, como "Tantos animais e outras lengalengas de contar", de Manuela Costa Neves e Yara Kono, e "Irmão Lobo", de Carla Maia de Almeida e António Jorge Gonçalves.
A editora esteve também nomeada, pela segunda vez consecutiva, para o prémio sueco Astrid Lindgren Memorial Award (ALMA), no valor de 500 mil euros."

SS // ARA
Lusa/Fim

 

 

Este post está também publicado em: www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 11:41
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Abril de 2013
Outlook. O 2º caso da Nova Geração

 

NOVA GERAÇÃO

Cristina Fonseca

A 'geek' que gere uma empresa em Silicon Valley

 

Data: 22/03/2013
Publicação: DIÁRIO ECONÓMICO
Autor: JOANA MOURA

Quando, aos 18 anos, chegou a hora de escolher um curso universitário, defraudou as expectativas de muita gente: "A sociedade acha que um bom aluno tem de ir para medicina. E o sofrimento humano aborrece-me, não lido bem com isso, portanto não queria nada com medicina". Olhou para a lista dos cursos de engenharia do Instituto Superior Técnico e escolheu Engenharia de Redes de Comunicação, um pouco ao acaso e sem saber o que, no fim, poderia vir a fazer no futuro. Cristina Fonseca entrou num curso de 12 valores com média de 18, mas sempre soube que iria fazer alguma coisa com impacto.

Já em 2011, com uma formação superior e uma colecção de pequenos projectos falhados com o amigo e eterno colega de aventuras empreendedoras Tiago Paiva, a jovem da "terrinha", como se refere a Vales - a sua aldeia, muito próxima de Fátima - candidata-se a um concurso de uma empresa americana, que lançara um 'browser' de atender chamadas e procurava a melhor aplicação que o utilizasse. Os portugueses vencem o concurso, ganham um computador Macbook - que nunca levantaram por não terem dinheiro para pagar os impostos que retiveram o prémio na alfândega -, e em dois dias vêem-se em São Francisco com um protótipo do que viria a ser a Talkdesk para apresentar a uma audiência de investidores internacionais. Recebem convites para integrar os programas de aceleração 500Startups e AngelPad e aceitam o convite da 500Startups , de Silicon Valley, sendo consideradas das empresas mais inovadoras na 'cloud' pela revista especializada 'VentureBeat'.

Cristina Fonseca gere actualmente com Tiago Paiva a empresa que criaram juntos e que permite criar um 'call center' (centro de atendimento) em cinco minutos. Com mais de 1.500 registos na plataforma, na maioria empresas estrangeiras, a engenheira de 25 anos diz não ter tempo para ler um livro por semana, nem correr tanto como gostaria. Com uma família numerosa de 40 primos em primeiro grau, gosta de "ir à terrinha e não fazer nada". Habituada a movimentar-se num mundo quase exclusivamente de homens e a trabalhar com cinco rapazes, nunca deixa a sua feminilidade adormecer: apareceu de salto alto e unhas impecavelmente pintadas com uma cor da moda. "Isso é porque hoje vinham cá jornalistas", brinca. É difícil acreditar que seja só por isso.

 

 

 

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 13:01
link do post | comentar | favorito
|
. Grandes Reportagens

. Ideias em Estante

. Reportagens
.Livros em destaque
."o livro que me marcou"
Alberto João Jardim

António Pinto Barbosa

António de Almeida Serra

Arquimedes da Silva Santos

Carlos Carvalhas

Carlos Zorrinho

Francisco Murteira Nabo

Graça Almeida Rodriques

João Castello Branco

José Amado da Silva

José Hermano Saraiva

Leonor Beleza

Luís Portela

Manuel Serzedelo de Almeida

Valentim Xavier Pintado

Vasco Vieira de Almeida

Vítor Melícias

António de Sousa

Guilherme D´Oliveira Martins

José Veiga Simão

Pedro de Sampaio Nunes

Martins Lampreia

Agostinho Pereira de Miranda

Mª do Rosário Partidário

Carvalho da Silva

Carlos Tavares

EM BREVE: mais cerca de 50 outros ilustres convidados que ainda não estão transcritos para este blog

.resenhas de livros

- O Livro da Marca

- The Origin of Weath

- A Competitividade e as Novas Fronteiras da Economia

- Choque do Futuro

- Como a Economia Ilumina o Mundo

- Making Globalization Work

- OUTRAS

.autores entrevistados

Rampini, autor do Século Chinês


Stephen Dubner e Steven Levitt, autores de "Freakonomics"


Tim Hardford, autor de "O Economista Disfarçado"


António Neto da Silva, autor de "Globalização, Fundamentalismo Islâmico e Desenvolvimento Sustentável"


Ashutosh Sheshabalaya, autor de "Made in Índia"

.entrevistas (áudio)

Alberto João Jardim

.Novidades Editoriais

Actual Editora


Esfera dos Livros


Porto Editora


Pergaminho


Campo das Letras


blogs SAPO
.subscrever feeds