.Relógios do Mundo
Clique aqui para saber as horas em qualquer parte do Mundo

.Para o leitor

Qual o livro que mais o marcou? Partilhe aqui a sua opinião!


What is the book of your life? Share your opinion here!


Deixe os seus comentários e sugestões aos artigos do Blog. É fácil, não necessita de registo e torna este Blog mais interessante com o seu contributo. Para saber mais clique aqui



.Mais sobre mim
. Sobre a Mafalda




.links
.arquivos

. Maio 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Outubro 2005

.posts recentes

. Homenagem a Veiga Simão

. Ondjaki vence Prémio Lite...

. Cartas entre Drummond e J...

. "Papa Francisco - Convers...

. José Luís Peixoto o padri...

. José Gomes Ferreira e o s...

. O(s) prefácio (s) de Gasp...

. "Portugal: Dívida Pública...

. Agualusa vence Prémio Man...

. Conheça quais são as livr...

.pesquisar
 
Quarta-feira, 27 de Julho de 2011
Facebook. "Efeito Facebook" de David Kirkpatrick

O convidado desta semana é o autor de "O Efeito Facebook”. Único livro sobre o fenómeno social do momento que conta com a colaboração de Mark Zuckerberg, fundador do Facebook.

 

Entrevista emitida no ETV e publicada no DE em Julho de 2011.

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 12:46
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 22 de Julho de 2011
...
“A (possibilidade de) desvalorização é uma maneira excelente de aldrabar os trabalhadores”, afirma João César das Neves, Professor de Economia da Universidade Católica
e autor de “As 10 Questões da Crise" 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 16:30
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 21 de Julho de 2011
"Sangue novo na velha terra" por Calado Rodrigues in Correio da Manhã

Hoje vou abrir uma excepção. Vou publicar neste blog um artigo de opinião, que hoje se pode ler no Correio da Manhã.

 

O autor é padre, amigo, cidadão e apaixonado por causas. Não só mais também por isso merece esta excepção devidamente identificada.

 

Sr. Padre Calado Rodrigues obrigada por ser uma das vozes que luta contra o "despovoamento" do interior de Portugal.

 

--

 

Leia aqui o artigo publicado no jornal diário "Correio da Manhã"

 

---

 

Opinião in CM. ( 21.08.2011)

Sangue novo na velha terra

O novo bispo da diocese de Bragança vai encontrar uma região envelhecida e em assustador despovoamento

 

Por:Calado Rodrigues, Padre in Correio da Manhã.

 

 

 

Bragança prepara-se para acolher o seu novo bispo, que será também o mais novo de Portugal. O Papa Bento XVI nomeou bispo da diocese de Bragança-Miranda o Pe. José Cordeiro, com apenas 44 anos. Não é muito habitual, nos tempos que correm, a Santa Sé designar um bispo com esta idade.

O bispo mais jovem de Portugal vai assumir uma das dioceses com a população mais envelhecida e o clero mais idoso, situada no interior de um país que atravessa uma das maiores crises da sua história. Talvez por isso encare a sua missão com "temor e tremor".

Além de envelhecida, vai encontrar uma região em assustador despovoamento (só nos últimos 10 anos perdeu mais de 12 mil habitantes), resultado de décadas de abandono político e económico do interior com a consequente litoralização do país. O até agora bispo de Bragança-Miranda, D. António Montes, em declarações à Agência Ecclesia, classificou o futuro da região como "sombrio" devido a "um plano de desenvolvimento económico que se centrou excessivamente no litoral e abandonou o interior". D. António Montes, na hora da despedida, sublinha também a falta de sacerdotes, o que vai exigir do novo bispo uma boa gestão dos recursos humanos, com uma colocação criteriosa do clero. Um bom gestor revela-se quando os recursos escasseiam e não quando eles abundam. Curiosamente, D. José Cordeiro inicia a sua actividade episcopal com a mesma idade de um seu antecessor, de grata memória, D. Abílio Vaz das Neves, natural de Ifanes, Miranda do Douro, que foi missionário e bispo na Índia e regressou à sua diocese de origem em 1938, para ser seu bispo até 1965.

Oxalá que D. José Cordeiro tenha o mesmo sucesso de D. Abílio, um homem e um bispo que, colocando as pessoas certas nos sítios certos, soube reorganizar completamente a diocese, edificar um vasto património, mesmo em tempos de guerra, e fez de Bragança um caso exemplar, a nível nacional, em áreas como a catequese. É esta a esperança das gentes nordestinas em tempos de alegria com a nomeação de um novo bispo que vê na crise também "momentos de purificação, de confronto, de reencontro", e nas circunstâncias que vivemos pretende ser "um servidor da esperança e colaborador da alegria".

 

 

 

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 18:37
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Julho de 2011
Medina Carreira: Vídeo: " Qualquer dona de casa teria feito melhor!"

 

 

Assista à entrevista "Ideias em Estante", publicada no Económico e emitida no ETV.

Esta semana: Medina Carreira, autor de " O Fim da Ilusão"

 

 

 

 

 

'O Fim da Ilusão' é a nova obra de Medina Carreira.

O autor elogia o Governo por ter gente que não é promovida por estar na política. "Isso dá liberdade"

 

 

 

 

Sem ilusões! Esta é frase exclamativa que resume a conversa com o professor Medina Carreira. Conhecido pelo tom crítico, sem papas na língua, o ex-ministro das Finanças do primeiro governo constitucional tem sido uma das vozes que mais alertas lança para o estado das finanças públicas portuguesas - nomeadamente no que toca ao endividamento, à despesa pública e à carga fiscal. Autor do 'bestseller' "Portugal que Futuro?", escreve agora "O Fim da Ilusão ", livro que marca uma vez mais pelo tom crítico do seu ADN. Em conversa (que será transmitida na íntegra no ETV) diz Medina Carreira também - e indo além do conteúdo do livro - que "este Governo trouxe o precedente, que já não existia há muitos anos, de levar para a política gente que na política não é promovida. Na política até é despromovida, pelo menos economicamente". Isso dá liberdade e independência, conclui. Sobre o presente, entende que a primeira coisa que se deve passar na sociedade é que a comunicação social, "de uma forma geral", deve começar a entender que a política depende dos factos. Pensar que a política pode ser desligada da realidade económica é um erro. "Hoje há uma economia que não permite qualquer política."

 

Porque é que neste livro advoga que este é pior momento que o País atravessa desde que "guardamos memória"?

 

Se observarmos a situação da economia portuguesa, que tem um dinamismo equivalente ao princípio do século XX (uma economia que cresceu a meio por cento), significa que, do ponto de vista de economia, estamos tão mal como estávamos no passado; se olhar para o nível do desemprego, desde que há registo de desemprego, nunca se atingiu uma taxa tão elevada; se pensarmos na dívida pública, desde há mais de 160 anos não se tinha um nível tão elevado. Portanto todos estes indicadores de natureza comparativa mostram que o País atingiu um estádio de que ninguém vivo tem memória.

 

Tem vindo a alertar para alguns indicadores macro económicos...

 

O que aconteceu, aqui com mais intensidade do que em outros países europeus - apesar de outros também terem coisas parecidas - é que as políticas de gastos públicos desconheceram a economia que tinham. Nós criámos um modelo de sociedade em que, devido ao dinamismo da economia europeia de há 40 anos, não era preciso fazer contas para colocar a despesa dentro da capacidade económica que existia. O que acontece é que a economia foi sempre declinando - aqui e no resto da Europa - e o Estado foi gastando aquilo que entendeu. Há dois números muito fáceis de registar: a economia portuguesa dos últimos 20 anos (1990 - 2010) cresceu 1,8 (em média anual) e a despesa pública corrente primária cresceu 4,2. Qualquer dona de casa percebe que se o seu rendimento do lar crescer 1,8, a despesa não pode crescer 4,2. Teoricamente qualquer dona de casa teria feito melhor do que os governos que tivemos.

 

Utilizando a analogia da dona de casa: o que é a dona de casa pode fazer? Horas extra? Produzir mais? Gastar menos?

 

Vamos ter que fazer de tudo. Desde logo, e porque pôr a economia em funcionamento é mais difícil e mais lento do que cortar na despesa, a primeira coisa que teremos de fazer é colocarmo-nos dentro da nossa capacidade para gastar. Isto é, teremos que gastar aquilo que produzimos. É isso basicamente que pretende este acordo com os estrangeiros: colocar os portugueses a viverem com aquilo que têm.

 

O fim da ilusão?

 

É evidente. Nós andámos descuidadamente a viver com um nível de vida para o qual não tínhamos dinheiro. Nos últimos dez anos tivemos um nível de vida que se sustentou no endividamento e não naquilo que nós produzíamos. Ora quando vivemos do endividamento, tarde ou cedo vamos ter que ser reconduzidos à nossa capacidade normal de produção. E foi o que aconteceu e que foi lamentável, porque tudo isto traduz uma irresponsabilidade e incompetência total dos governos. Porque os governos teriam que reconduzir a sociedade portuguesa àquilo que poderia gastar e não a pedir dinheiro emprestado para viver melhor.

 

Está optimista com o novo Governo?

 

Eu conheço algumas das pessoas que aparecem no Governo, mas isso é relativamente indiferente. Sabe que um dos vícios da política dos últimos dez a vinte anos foi aparecer gente que não tem profissão. Gente que entrou para a política e vive da política. O que é que isto significa é que têm que estar sempre com o partido do poder senão vivem mal ou vivem com estatuto social minimizado. Aquilo que considero mais vantajoso é que este Governo é composto por gente que não foi promovida por ser ministro. Já tinham um estatuto social e económico em que ser ministro é menos do que ser aquilo que eram. Este Governo trouxe o precedente, que já não existia há muitos anos, de gente que na política não é promovida. Na política até é despromovida, pelo menos economicamente. Isso dá liberdade e independência. As pessoas estão enquanto querem, quando não quiserem ou não concordarem saem.

 

 

 

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

 

publicado por Mafalda Avelar às 11:49
link do post | comentar | favorito
|
. Grandes Reportagens

. Ideias em Estante

. Reportagens
.Livros em destaque
."o livro que me marcou"
Alberto João Jardim

António Pinto Barbosa

António de Almeida Serra

Arquimedes da Silva Santos

Carlos Carvalhas

Carlos Zorrinho

Francisco Murteira Nabo

Graça Almeida Rodriques

João Castello Branco

José Amado da Silva

José Hermano Saraiva

Leonor Beleza

Luís Portela

Manuel Serzedelo de Almeida

Valentim Xavier Pintado

Vasco Vieira de Almeida

Vítor Melícias

António de Sousa

Guilherme D´Oliveira Martins

José Veiga Simão

Pedro de Sampaio Nunes

Martins Lampreia

Agostinho Pereira de Miranda

Mª do Rosário Partidário

Carvalho da Silva

Carlos Tavares

EM BREVE: mais cerca de 50 outros ilustres convidados que ainda não estão transcritos para este blog

.resenhas de livros

- O Livro da Marca

- The Origin of Weath

- A Competitividade e as Novas Fronteiras da Economia

- Choque do Futuro

- Como a Economia Ilumina o Mundo

- Making Globalization Work

- OUTRAS

.autores entrevistados

Rampini, autor do Século Chinês


Stephen Dubner e Steven Levitt, autores de "Freakonomics"


Tim Hardford, autor de "O Economista Disfarçado"


António Neto da Silva, autor de "Globalização, Fundamentalismo Islâmico e Desenvolvimento Sustentável"


Ashutosh Sheshabalaya, autor de "Made in Índia"

.entrevistas (áudio)

Alberto João Jardim

.Novidades Editoriais

Actual Editora


Esfera dos Livros


Porto Editora


Pergaminho


Campo das Letras


blogs SAPO
.subscrever feeds