.Relógios do Mundo
Clique aqui para saber as horas em qualquer parte do Mundo

.Para o leitor

Qual o livro que mais o marcou? Partilhe aqui a sua opinião!


What is the book of your life? Share your opinion here!


Deixe os seus comentários e sugestões aos artigos do Blog. É fácil, não necessita de registo e torna este Blog mais interessante com o seu contributo. Para saber mais clique aqui



.Mais sobre mim
. Sobre a Mafalda




.links
.arquivos

. Maio 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Outubro 2005

.posts recentes

. Homenagem a Veiga Simão

. Ondjaki vence Prémio Lite...

. Cartas entre Drummond e J...

. "Papa Francisco - Convers...

. José Luís Peixoto o padri...

. José Gomes Ferreira e o s...

. O(s) prefácio (s) de Gasp...

. "Portugal: Dívida Pública...

. Agualusa vence Prémio Man...

. Conheça quais são as livr...

.pesquisar
 
Sexta-feira, 30 de Abril de 2010
"A rejeição é o grande medo do ser humano"

"A rejeição é o grande medo do ser humano", quem o defende é Paulo de Vilhena, autor de “O livro secreto das vendas”. Nesta obra, que apresenta o mapa mental dos super comerciais, o especialista em “coaching” defende que uma boa atitude é a palavra de ordem a ter no mundo dos negócios e na vida.

 

 

 

 

 

 

Duas perguntas ao autor:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 12:19
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Abril de 2010
O País do "Faz de Conta" agora vai ter que "Cair na Real"

E agora?

 

Agora que o esperado aconteceu (momento em que a crise já é chamada pelo nome e muitos até a designam de “financial crisis”, impondo um cunho de estrangeirismo tão apreciado por esta nação lusitana), será que vamos continuar a “fazer de conta”? Será que vamos continuar a dar prioridade a temas rocambolescos em vez de olharmos de frente para os problemas do país?

 

Como cidadã estou saturada de tantos esquemas, tantas divagações, inúmeras distracções que nos levam a pensar em tudo menos naquilo que é importante: o desenvolvimento do nosso país.

SEM dúvida que as bases da democracia - e de um sistema livre e democrático - não podem ser colocadas em causa, por isso a importância de discutir casos tais como o da PT/TVI, que mais não é do que uma suspeita de um atentado ao livre mercado, ao livre funcionamento da economia e da democracia de um país. E isso, no caso de vir a ser provado ter ocorrido, é grave. Muito grave. Mas mais grave ainda é utilizar todo o tempo útil de membros parlamentares, de governantes, de cidadãos, de jornalistas, de responsáveis empresariais a pensar naquilo – que a bem da verdade – não nos tira da crise (poderia qui ça ter ajudado a não entrar nela… mas isso dá assunto para uma outra conversa). Parênteses à parte, neste momento há que apurar factos mas sobretudo existe a necessidade de construir, de moldar, de pensar num futuro para o país. É preciso termos uma estratégia – que envolva miúdos e graúdos. Não nos podemos esquecer que o país não vive apenas das grandes empresas nacionais, que graças a Deus – e para bem da nossa Nação e de todos nós - existem. O país vive também - e sobretudo - dos pequenos e médios empresários, vive das indústrias e serviços tradicionais, vive de gentes que nem sempre têm cunhas mas – e ao invés - têm legiões de assalariados a quem têm que pagar no fim do mês. Essas gentes não podem ser esquecidas. Essas gentes, que reclamam do sistema democrático quando dizem “que estão todos ligados uns aos outros e que não conseguem neste Portugal furar – fazer negócios - sem conhecimentos”, têm que ter uma garantia de que vale a pena ser empreendedor. Vale a pena passar algumas noites sem dormir (como acontece com tantos) a pensar onde vão buscar verbas. Não é fácil empreender, todos sabemos. Mas nem todos sentimos. Isto porque são poucos os que se aventuram; muito poucos os que entendem (ou simplesmente querem “tentar entender”).

 

Aqui pelas grandes cidades esquecemo-nos do português, que erradamente consideramos, pequenino; e deslumbrámos nos com aquele que entendemos como grandinho. Que mediocridade. Que atentado à sociedade e ao crescimento da mesma.

 

Isto não pode continuar! Quando num país tudo pára porque existem suspeitas, tudo está perdido. Quando num país não se dá o mesmo valor ao pescador empreendedor tal como a um Ceo, que também empreende, tudo está perdido. Quando num país se julgam as gentes pela dimensão do negócio em que estão envolvidos e não pela essência dos mesmos, tudo está perdido. Não nos esqueçamos que os homens não se medem aos palmos e que a vida dá muitas voltas….Tantas que o hoje pode não corresponder ao amanhã. E também por isso realmente acredito, ainda assim, que nem tudo está perdido porque existe um grande caminho a percorrer. Uma longa caminhada que começa por tomarmos consciência de que temos que ter uma ESTRATÉGIA para o país. Nessa temos que incluir “miúdos e graúdos” e nessa temos, também, que mergulhar. As entidades patronais têm que ser tão compreensíveis – e realistas – como os Sindicatos, que às vezes se esquecem de como é que um mercado funciona. É necessário gerar para distribuir. Sem produção não há divisão. Mas este lembrete vale para todos nós – e, também para o Governo, que tem a obrigação de pensar alto e de envolver todos os portugueses neste momento em que a união mais do que necessária é vital.

 

Fomos habituados, nos últimos anos, a crescer num mundo de “facilitismo”. Num universo em que “tudo se resolve” e existe sempre alguém que nos dá a mão, mais do que não seja o Estado através dos subsídios de desemprego. Mas isso a ser “universo”, é utópico. Ninguém é superior aos factos. O nosso desemprego atinge os 2 dígitos, a miséria substitui a pobreza e os recursos são escassos. Quando a despesa é maior do que a receitas e as expectativas de crescimento do sinal MENOS são maiores do que as do sinal MAIS nesta equação que corresponde à nossa situação pública… a gestão torna-se complicada. Mas o quadro não fica por aqui. Isto porque num palco em que temos todas as personagens acima mencionadas, e depois alguns figurantes que - e enquanto o pano sobe - andam preocupados em “saber quem é quem” o que é que “fulano ou sicrano sabe”, “quem conhece”…enfim ... um mundo de faz de conta que espero um dia não ter que contar aos mais novos, que hoje não sabem, tal como nós, o que os espera. Também por eles vale a pena deixar de lado as futilidades do mercado e pensar grande. Pensar nos projectos estruturais, pensar no País. E quem tem essa obrigação são os que têm, por enquanto, o frigorifico cheio. Esses têm mais responsabilidade neste momento. Quem está faminto é natural que se preocupe em primeiro lugar em saciar a fome; quem apenas tem apetite deve procurar as fontes para o satisfazer.

 

Por tudo isso hoje vos escrevi… vagueando e pensando, aqui, partilho as minhas preocupações que nem sempre encontro descritas nos livros

que leio.

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

 

 

publicado por Mafalda Avelar às 18:14
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 27 de Abril de 2010
Angola, terra prometida?

Angola é "a terra prometida para muitos"; "a terra de um passado ( nostálgico) para outros; para todos " a terra da dimensão". De uma grande dimensão que permite sonhar e segundo António Vicente Marques, autor de " Direito Fiscal Angolano", concretizar.

 

Veja o vídeo ao autor

 

 

 

 

 

Negociar em Angola - António Vicente Marques, autor de “Direito Fiscal Angolano” fala em entrevista sobre a importância de conhecer as leis angolanas. Grato em relação ao país – e identificando muitas oportunidades no mesmo - afirma que os casos de insucesso se prendem muitas vezes com o facto de alguns investidores subestimarem as gentes locais

 

  <

 

 




Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

 

 

 

publicado por Mafalda Avelar às 13:32
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Abril de 2010
Entrevista a Paulo de Vilhena, autor de "O livro secreto das vendas"
 
 

publicado por Mafalda Avelar às 12:33
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Abril de 2010
"Ideias em Estante" um projecto com 5 anos e muitos agradecimentos!

 

Normalmente sinto-me grata. Diariamente grata. Hoje estou especialmente grata a todos vós e por isso escrevo-vos.

Como todas as histórias esta, a de uma coluna de livros que um dia foi sonhada, também tem personagens.

Ora leia e aceite o meu: obrigada!

 

 

--

Há cinco anos, quando voltei para Portugal, depois de ter passado uns anos fora do País, resolvi – aproveitando um gap no mercado - começar a escrever sobre livros de Economia e Gestão.

 

Na altura tive a sorte de apresentar esse projecto ao Jorge Fiel, que em 2005 era editor de Economia do jornal Expresso.

 

Freakonomics, de Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner,  foi a primeira obra sobre a qual escrevi. Outras se seguiram. E o que começou por ser uma colaboração esporádica depressa se tornou numa colaboração semanal.

 

Esta coluna de livros de Economia e Gestão, idealizada desde da sua base por mim sempre contou, no entanto, com todo o apoio da redacção do Expresso, jornal ao qual estou obviamente grata não só por ter aceite o desafio de publicar os meus textos, como por me ter permitido crescer e desenvolver novas ferramentas úteis para os leitores.

 

A primeira palavra de agradecimento vai obviamente para o Jorge Fiel. As restantes para todos aqueles que permitiram que este projecto fosse uma realidade. Entre eles: Nicolau Santos, João Garcia, Henrique Monteiro, Jorge Nascimento Rodrigues, Pedro Lima, João Vieira Pereira, Conceição Domingos, Joana Henriques e Dulce Salomé.  

 

Sendo que foi pioneira neste target, apresentando em jornais generalistas resenhas sobre Livros de Economia e Gestão, a “Ideias em Estante” rapidamente se tornou uma referência graças a colaboração das editoras e do próprio público, que através de e-mails e testemunhos enviados também para este blog permitiram fazer crescer este nicho jornalístico.

 

De resenhas de livros, a “Ideias em Estante” passou a ser também um espaço de registo “do livro que mais marcou algumas personalidades da nossa sociedade”. O Professor António Pinto Barbosa foi o primeiro entrevistado. Outras figuras marcantes se seguiram. “Em conversa com o autor” foi outro dos registos aprovados, algo que permitiu à coluna ir evoluindo tendo sempre na sua base uma máxima: revelar novas tendências.

 

Ainda no Expresso e em sinergia com a SIC, a Ideias em Estante passou a ter um registo televisivo no Sucesso.pt, programa no qual participei e que era apresentado pelo Luís Ferreira Lopes. Foram duas as edições deste programa, que foi transmitido durante dois anos, e que sempre contou com as sugestões de leitura da “Ideias em Estante”. Ao Luis Ferreira Lopes deixo também uma palavra de agradecimento.     

 

TOP - um sonho desde 2005.

 

Por último, e para grande satisfação minha, uma novidade: o Top 10 de livros de Economia e Gestão também foi realizado.

 

Esta ideia, que já vinha comigo do Brasil, começou a ser estudada para o Expresso em 2005, ano em que a minha coluna começou a ser publicada, sobre a direcção do Jorge Fiel. A ideia de construção deste top já estava a ser alinhavada. O que eu pretendia era tentar fazer algo semelhante ao que existia em outros países, nomeadamente no Brasil e nos Estados Unidos, países de onde acabara de chegar. Sempre que podia recortava os jornais/ revistas e pensava "se se faz lá fora e se facilita a vida do leitor porque não fazer cá?"

 

 

 Curiosamente, o argumento de “que vamos fazer à semelhança do que se faz lá fora” foi o utilizado por mim quando o apresentei  no Expresso, em 2006, ao João Vieira Pereira e o partilhei também com o Jorge Nascimento Rodrigues, jornalista que sempre editou de forma exemplar essa minha coluna.

 

As conversas começaram com as livrarias, nomeadamente com a Fnac e com a Bertrand, que desde do início sempre colaboraram de forma eficiente. Lembro-me curiosamente que em Agosto de 2006 me dirigi de forma espontânea à direcção da Bertrand e da Fnac. As respostas foram rápidas e em Setembro desse mesmo ano  –  e depois de ter passado os contactos ao jornal – o projecto tornou-se uma realidade!  (Guardo com muito carinho essas trocas de correspondências entre Fnac e Bertrand e todo o encaminhamento para as respectivas direcções.)

 

Porém este índice tinha um problema: era um top que se ia alternado entre Fnac e Bertrand. O que não retratava o verdadeiro top da semana. E por isso a minha luta continuou….

 

E hoje depois de muitas conversas com a Bertrand, com a Fnac e agora também com a Almedina e Barata, consegui finalmente, já no Diário Económico, ter o verdadeiro TOP Nacional de Economia e Gestão, o que foi sonhado desde da origem deste projecto em 2005.

 

TOP DE de Economia e Gestão – O primeiro em Portugal

 

Estou – digo sem esconder - feliz  por ter realizado todos estes projectos no mundo da Economia e Gestão – aliás a base dos meus estudos académicos.

 

Como última palavra: agradeço à direcção do Diário Económico ter agarrado neste projecto e estar a permitir que o mesmo se desenvolva para novos formatos.

 

A IDEIAS EM ESTANTE existe agora em formato Web, TV, tem o pioneiro e único TOP nacional de Economia e Gestão e – em breve –  terá MAIS novidades.

 

NOVIDADES essas que poderá acompanhar no meu novo blog intitulado:

 

LIVROS E ECOLEMOMANIAS - tendência irresistível para vaguear.   

 

 

 

VEJA AQUI o novo formato TV da Ideias em Estante.

 

 

 

publicado por Mafalda Avelar às 20:42
link do post | comentar | favorito
|
Voz do leitor: enviado por Carlos Meirinho Carrilho Rito, da Paulinas Editora.

ASSUNTO: Aquisição da Bertrand pelo Grupo Porto Editora

 

Uma Indústria mais Competitiva

 

Parabéns ao Engº Miguel Paes do Amaral por ser o responsável pelo forte abanão na Indústria do Livro em Portugal. Estou certo de que o Grupo Leya, à semelhança da Oficina do Livro (agora também inserida no Grupo Leya) veio dar um importante contributo a este sector, e em particular o Grupo Leya pois obrigou um grande Senhor, que é o Engº Vasco Teixeira CEO do Grupo Porto Editora a sair do conforto da sua cadeira para redefinir uma nova estratégia para o seu Grupo.

Estes dois grandes Gestores estão a colaborar para uma indústria mais profissional, competitiva, atraente e sedutora.

 

Estou na Indústria do livro já lá vão 13 anos, sempre fui um admirador dos métodos de gestão do Engº Vasco Teixeira.

 

Assim, fico bastante agradado com esta aquisição, embora ainda tenha de passar pelo crivo Autoridade da Concorrência.

 

A meu ver, está no ADN do Grupo Porto Editora ser o primeiro, o Engº Vasco Teixeira, só admite olhar para trás, logo não convive bem com o 2 e 3 lugar.

Desta forma, passa a liderar em todas as áreas; escolar, dicionários, não escolar, multimédia educativa e retalho.

 

Sou também da opinião de que todos os restantes Stakeholders, clientes, investidores, colaboradores, fornecedores, parceiros, saem a ganhar com esta operação pois é conhecida a cultura empresarial de excelência deste grande Grupo.

 

Parabéns ao Grupo Porto Editora e ao seu Líder.

 

Carlos Meirinho Carrilho Rito

Director Comercial

Paulinas Editora

 

publicado por Mafalda Avelar às 16:04
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 13 de Abril de 2010
Porto Editora anuncia acordo de promessa de compra e venda da Bertrand e Círculo de Leitores

In Booktailors

 

" Comunicado oficial da Porto Editora" in blogtailors.blogspot.com

Grupo Porto Editora anuncia acordo de promessa de compra e venda da Bertrand e Círculo de Leitores com DirectGroup Bertelsmann.
O Grupo Porto Editora celebrou com o DirectGroup Bertelsmann um acordo de promessa de compra e venda sobre os activos do DirectGroup Portugal.
13 de Abril de 2010 - O compromisso envolve a aquisição de todas as unidades de negócio do DirectGroup Portugal ligadas às áreas da edição, distribuição e retalho: a Bertrand Editora (com as chancelas Pergaminho, Quetzal, Temas e Debates e ArtePlural Edições), a Distribuidora de Livros Bertrand, o Círculo de Leitores e as Livrarias Bertrand.
O Grupo Porto Editora vê esta aquisição como um passo importante no contexto da estratégia de crescimento e desenvolvimento da sua actividade.
A concretização definitiva deste negócio acontecerá no momento em que for dado o aval pela Autoridade da Concorrência, entidade à qual será submetido este processo nos próximos dias para devida apreciação. Quando for conhecida a decisão da Autoridade da Concorrência, o Grupo Porto Editora dará mais informações relativas a este assunto.

Mais informações sobre o Grupo Porto Editora
O Grupo Porto Editora é o maior grupo editorial português.
Com várias editoras e chancelas (Porto Editora, Areal Editores, Lisboa Editora, Sextante Editora, Plural Editores Angola, Plural Editores Moçambique, Ideias de Ler e Albatroz), abrangendo as áreas da Educação, Referência e Literatura (ficção, não-ficção, infanto-juvenil), o Grupo Porto Editora lidera também a edição digital de conteúdos educativos, lúdico-educativos e de referência em Língua Portuguesa.
O Grupo Porto Editora respeita os princípios fundamentais da nossa sociedade e assume, no seu dia-a-dia, uma postura de responsabilidade social que se reflecte na política de recursos humanos que exerce, no cumprimento das regras de gestão ambiental e no envolvimento com a comunidade, apoiando inúmeras iniciativas de âmbito educativo, cultural e social.
Excelência na gestão, inovação, dinamismo, rigor e sustentabilidade são os traços que distinguem o Grupo Porto Editora.
Sobre o DirectGroup Bertelsmann

O DirectGroup Bertelsmann administra empresas nas áreas dos media, livrarias, Internet, edição e distribuição em 16 países, servindo aproximadamente 15 milhões de clientes através dos diferentes canais: catálogos, Internet, clubes de leitores, rede de lojas e agentes.
Os clubes incluem marcas bem conhecidas como Der Club (Alemanha), France Loisirs (França) e Círculo de Lectores (Espanha). A companhia serve-se da sua experiência de décadas em marketing directo para vender outros produtos a membros e novos grupos de clientes. As marcas Chapitre.com (França) e Bertrand (Portugal), do DirectGroup, são líderes de mercado no retalho do livro. Na área da edição, as suas subsidiárias na Europa Oriental e em Portugal apresentam uma forte posição de mercado.
O DirectGroup é propriedade, na íntegra, da Bertelsmann AG

publicado por Mafalda Avelar às 15:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
. Grandes Reportagens

. Ideias em Estante

. Reportagens
.Livros em destaque
."o livro que me marcou"
Alberto João Jardim

António Pinto Barbosa

António de Almeida Serra

Arquimedes da Silva Santos

Carlos Carvalhas

Carlos Zorrinho

Francisco Murteira Nabo

Graça Almeida Rodriques

João Castello Branco

José Amado da Silva

José Hermano Saraiva

Leonor Beleza

Luís Portela

Manuel Serzedelo de Almeida

Valentim Xavier Pintado

Vasco Vieira de Almeida

Vítor Melícias

António de Sousa

Guilherme D´Oliveira Martins

José Veiga Simão

Pedro de Sampaio Nunes

Martins Lampreia

Agostinho Pereira de Miranda

Mª do Rosário Partidário

Carvalho da Silva

Carlos Tavares

EM BREVE: mais cerca de 50 outros ilustres convidados que ainda não estão transcritos para este blog

.resenhas de livros

- O Livro da Marca

- The Origin of Weath

- A Competitividade e as Novas Fronteiras da Economia

- Choque do Futuro

- Como a Economia Ilumina o Mundo

- Making Globalization Work

- OUTRAS

.autores entrevistados

Rampini, autor do Século Chinês


Stephen Dubner e Steven Levitt, autores de "Freakonomics"


Tim Hardford, autor de "O Economista Disfarçado"


António Neto da Silva, autor de "Globalização, Fundamentalismo Islâmico e Desenvolvimento Sustentável"


Ashutosh Sheshabalaya, autor de "Made in Índia"

.entrevistas (áudio)

Alberto João Jardim

.Novidades Editoriais

Actual Editora


Esfera dos Livros


Porto Editora


Pergaminho


Campo das Letras


blogs SAPO
.subscrever feeds