.Relógios do Mundo
Clique aqui para saber as horas em qualquer parte do Mundo

.Para o leitor

Qual o livro que mais o marcou? Partilhe aqui a sua opinião!


What is the book of your life? Share your opinion here!


Deixe os seus comentários e sugestões aos artigos do Blog. É fácil, não necessita de registo e torna este Blog mais interessante com o seu contributo. Para saber mais clique aqui



.Mais sobre mim
. Sobre a Mafalda




.links
.arquivos

. Maio 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Outubro 2005

.posts recentes

. Homenagem a Veiga Simão

. Ondjaki vence Prémio Lite...

. Cartas entre Drummond e J...

. "Papa Francisco - Convers...

. José Luís Peixoto o padri...

. José Gomes Ferreira e o s...

. O(s) prefácio (s) de Gasp...

. "Portugal: Dívida Pública...

. Agualusa vence Prémio Man...

. Conheça quais são as livr...

.pesquisar
 
Sábado, 30 de Setembro de 2006
“Making Globalization Work"
Making Globalization Work”, Joseph.E.Stiglitz, Editora Norton, 358 páginas, 26,95 dólares
 
Conhecido pelas suas criticas a organizações internacionais, Stiglitz, prémio Nobel de economia em 2001, dá seguimento através desta nova obra, ao seu último trabalho aplaudido de pé pelo mundo – Globalization and Its Discontents.
Em “Making Globalization Work”, este ex- Economista Chefe do Banco Mundial, apresenta as principais debilidades do sistema mundial e dá a sua opinião sobre as soluções que deverão ser seguidas. Convicto de que uma atitude de mudança é necessária, por exemplo, nas Nações Unidas, no FMI e no Banco Mundial, Stiglitz defende a tomada de consciência de que a globalização deve ser para todos (para os países desenvolvidos e para os em vias de desenvolvimento) não apenas por via da chamada moralização mas acima de tudo pelo desenvolvimento do mundo. Uma obra económica de leitura agradável, embora inquietante, que tem o cunho original do autor. Como curiosidade: esta obra não está a causar unanimidade em torno da validade prática da mesma. Como a The Economist refere Stiglitz “continua a ser o artista do impossível”.

publicado por Mafalda Avelar às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
"O Livro que me Marcou" - José Amado da Silva
“Eu tenho progressivamente ganho a convicção de que o tipo de concorrência que temos, com todos os seus defeitos – e que são sérios – é melhor do que a norma “pura e perfeita” porque aponta para o progresso. Alguns afastamentos da concorrência “pura e perfeita” são não só inseparáveis do progresso mas necessários para ele”, esta afirmação, “que eu subscrevo”, diz Amado da Silva, é de John Maurice Clark (1884-1963) e encontra-se em “Competition as a Dynamic Process”(1961), o livro eleito pelo professor como uma das obras que mais o marcou.  
Sendo uma das fontes da tese de doutoramento de Amado de Silva publicada em “Economia Industrial e Excesso de Capacidade”, (onde fala, entre outros, de fusões, aquisições, política anti-trust e regulamento de controlo de concentração de empresas), esta obra assume um especial relevo para o professor, que se questiona “será que este livro me levou a pensar da forma que penso hoje? Ou será que eu já pensava assim e encontrei alguém que pensou da mesma maneira?”.
Pioneiro, este documento surge como uma evolução de um artigo publicado pelo autor na American Economic Review - “Toward a Concept of Workable Competition (1940). Um progresso que surgiu face a constatação de que “ a concorrência praticável não é aquela que se pode fazer, mas aquela que se faz”. Clark, que antecipou as ideias de Keynes, apresenta a concorrência (ao contrário do seu pai, um economista neo-clássico), não como um estado, mas como um processo dinâmico. “O equilibro está para o pai, como o processo dinâmico para filho”, observa Amado da Silva, que reconhece nesta visão dinâmica um dos factores de diferenciação do livro. O outro consiste na importância da “ética económica”. Duas variáveis que dão brilho aos olhos deste professor de economia industrial, que tem hoje nas mãos uma das maiores decisões sobre politica de concorrência no país. Como deixa escapar, enquanto folheia os seus apontamentos, “tento colocar em pratica, todos os dias, a evolução que também tenho vindo a fazer.” Um processamento onde as ideias de Clark estão vigentes e onde a economia social se impõem, uma vez mais, “porque olha para a realidade do funcionamento da economia”. 
 
---------------------------------
José Manuel Amado da Silva, licenciado em Engenharia Químico – Industrial pelo IST, Doutorado em Economia pela Universidade Católica Portuguesa. Foi docente no ISCTE, no INP, na Faculdade de Economia da UNL, na Autónoma e na UCP, tendo sido Vice-Reitor. Consultor nas áreas de privatizações, avaliação de programas comunitários, estratégias empresariais, política industrial e regulação. Actualmente é Presidente da ANACOM.

publicado por Mafalda Avelar às 23:44
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Setembro de 2006
Como deixar um comentário?
Não precisa de registo e é facil: só tem que colocar o nome!

1. Clique em "comentar" abaixo do post.

2. Para comentar aparecem duas perguntas:
- se tem blog do SAPO (insira o seu email sapo e password)
- se não tem

3. Escolha uma das opções

Como a maior parte das pessoas nao têm Blog no SAPO e não estão habituadas a deixar comentários, podem colocar apenas o seu nome, deixando o campo que diz "URL" em branco.
É natural que quem não esteja habituado estranhe um pouco, mas a partir da primeira vez torna-se mais fácil!

4. Faça o seu comentário na caixa indicada para o efeito.

5. Copie os caracteres da imagem que lhe aparece

6. Clique em "Publicar Comentário".

publicado por Mafalda Avelar às 15:52
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|
Sábado, 9 de Setembro de 2006
"O livro que me marcou" - António Pinto Barbosa
The Calculus of Consent – Logical Foundations of Constitucional Democracy (Cálculo do Consenso), Buchanan e Tullock, editado pela The University of Michigan Press, 1962

"O Cálculo do Consenso", escrito em 1962, por James M. Buchanan com Gordon Tullock, foi uma das obras de economia que mais marcou António Soares Pinto Barbosa. ¨Surpreendeu-me muito esta obra!¨. A ligação entre a economia e a política é um dos pontos citados pelo Professor como referenciais deste livro. Segundo Pinto Barbosa, Buchanan foi o investigador e economista que criou uma área (até então) desconhecida ¨que aplica análises económicas ao estudo da decisão política”. Uma área, que segundo Pinto Barbosa, é muito actual. “Cada vez mais se sente a influência da política na economia e vice-versa¨, afirma o professor que leu, pela primeira vez, esta obra em 1972, quando se encontrava a cumprir o Serviço Militar na Marinha. A história foi, sumariamente, a seguinte: Pinto Barbosa ficou encarregue de desenvolver um trabalho sobre Financiamento de Despesas Militares. “Na altura estavamos em guerra”, recorda. Para efectuar esse mesmo estudo recorreu à biblioteca do ISEG e, aí, deparou-se com este livro que o fascinou. “Abriu-me os horizontes.” A admiração pela teoria desenvolvida por Buchanan levou Pinto Barbosa a procurar a fonte. “Eu queria ir, justamente, conhecer o autor¨. Pinto Barbosa partiu ao encontro de Buchanan que “felizmente me acolheu lá ( The Center for Study of Public Choice – Virginia )¨. Uns anos mais tarde, Buchanan, que foi supervisor de Pinto Barbosa durante o seu doutoramento, viria a ser reconhecido como Nobel de Economia (1986) precisamente pelo contributo para a área de Estudos Públicos, de onde se destaca o “Cálculo do Consenso.”

Segundo Pinto Barbosa o contributo, em termos gerais, deste livro reside no facto “de ser fulcral na criação de uma nova área disciplinar onde se procura aplicar a análise económica ao estudo da decisão politica.” Num plano mais específico, existem dois aspectos a ter em conta: por um lado levanta a questão de “Como escolher entre regras de escolha colectiva e quais os factores a ter em conta nesse cálculo (tais como o custo das tomadas de decisão, os custos externos, o custo de uma decisão desfavorável, vencida…). Por outro, complementando, apresenta ainda uma perspectiva constitucional de longo prazo (a incerteza Rawlsiana) na escolha das regras de escolha. Por outras palavras, e utilizando uma analogia, trata-se de entender “como escolher as regras de jogo sem saber as cartas que nos vão parar às mãos.”

Reconhecendo que “a grande importância de Buchanan é o seu lado criativo”, Pinto Barbosa desabafa, com uma reconhecida humildade (enquanto folheia o livro), “eu estava cá e o estimulo à criação de novas ideias deste autor, levou-me a ir atrás desta obra -   de uma pessoa e não de uma instituição.” Numa era em que a ideologia, por  vezes parece não estar na ordem do dia, aqui fica o testemunho de um licenciado que se tornou doutor em Economia com a supervisão de um Nobel. Tudo isso, não só mas também, porque um dia leu um livro…      

António Soares Pinto Barbosa, professor da Universidade Nova de Lisboa, licenciado em Finanças pela Universidade Técnica de Lisboa e doutorado em Economia pela Virginia P.I. & State University

Esta partilha foi publicado na rubrica "Ideias em Estante", Expresso, a 9 de Setembro de 2006

publicado por Mafalda Avelar às 17:36
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Setembro de 2006
"O Livro que me Marcou" - José Veiga Simão
A "Riqueza das Nações" é um dos livros que mais marcou José Veiga Simão, um físico – químico de formação que conheceu a obra de Adam Smith durante o seu doutoramento em Física Nuclear em Cambridge (1953 -57)."Na altura os doutorandos tinham aulas de cultura geral e discutiam entre si os problemas mais actuais de diferentes áreas do saber", afirma o professor, adiantando que uma das "questões do momento" era de teor económico ("A economia é ou não uma ciência?"). "A minha sedução por este livro resultou, essencialmente, de me chamar a atenção para a importância para o progresso da produção científico-económica e para a perspectiva inovadora de uma mais íntima inter-relação entre a Ciência e a Economia", afirma Veiga Simão, que considera "que não é por acaso que muitos qualificam Adam Smith como o "pai da ciência económica", e não é por acaso que o título inicial do livro era "Inquérito sobre a Natureza e as Causas da Riqueza das Nações".
Confessando que os livros que mais o marcaram se situam em áreas do conhecimento como a "Origem do Universo", a "Estrutura da Matéria" e a "Origem da Vida", o professor reconhece que esta obra clássica lhe ofereceu "uma visão globalizante, de processos em evolução permanente sobre criação, circulação e repartição da riqueza, ou seja, sobre a competitividade entre nações."
Veiga Simão, que é tido por muitos como o pai das reformas educativas em Portugal, tendo sido mentor de projectos como a criação da Universidade Nova de Lisboa, a de Aveiro, a do Minho, a de Évora e até mesmo a Universidade de Lourenço Marques, concluiu dizendo que "reflectir sobre a pobreza, vencendo-a, e dinamizar mecanismos de sucesso na criação de riqueza exige cultura científica para que seja uma ambição permanente de cidadania. A leitura da "Riqueza das Nações" ensinou-me este caminho."
 
Sobre Veiga Simão
José Veiga Simão
, licenciado em Ciências Físico-Químicas (Coimbra), Doutor em Física Nuclear, (Cambridge), Doutor em Ciências Físico-Químicas, com distinção e louvor, com 20 valores (Coimbra), Reitor da Universidade de Lourenço Marques (1963-70)., Ministro da Educação Nacional (1970 – 74); Embaixador de Portugal nas Nações Unidas (1974 –75); Ministro da Indústria e Energia, (1983- 85); Ministro da Defesa Nacional, (1997 -99)

publicado por Mafalda Avelar às 21:09
link do post | comentar | favorito
|
Mais sobre mim

 

Mafalda de Avelar, 36 anos, é formada em Economia pela Universidade Nova de Lisboa e tem Mestrado em Relações Internacionais pela Johns Hopkins University (School of Advance and International Studies - SAIS - ); tendo estudado nas cidades de Bolonha, em Itália; e em Washington Dc, Estados Unidos.

 

 

 

No seu percurso académico e profissional, foi estudante Erasmus na Catholic University of Leuven (Bélgica) e frequentou o  Mestrado em Comércio Externo na Universidade de São Paulo – USP- Brasil (Mestrado este que ainda não concluiu); participou no programa da Universidade Católica - GásÁfrica, na Guiné Bissau; no programa Contacto do ICEP, no Brasil; deu aulas e explicações de cariz social em vários bairros de Lisboa; estagiou na Young and Rubicam (Dinamarca); e, foi assistente de Microeconomia do Professor Eric Fisher (Bolonha/SAIS).

Jornalista desde 1999, trabalhou na Folha de S.Paulo, na Gazeta Mercantil e no InvestNews. Foi correspondente freelancer do Independente (a partir de São Paulo, Buenos Aires, Bolonha e Washington Dc), esteve nos departamentos de Marketing do jornal Público e da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

 

 

 

Blogista deste espaço "livros e manias" e de "livrosavoltadomundo.blogs.sapo.pt”, colaborou no programa Sucesso.pt,da SIC Notícias, e é co-autora do livro " Sucesso.pt".

 

 

 

Vários anos como jornalista freelancer em Portugal e no exterior, colaborou ainda numa Produtora de Cinema Nacional - Stopline Films - em que acumulou as funções de "Selecção de Guiões" e de " Acordos Internacionais".

 


É autora da coluna “Ideias em Estante”,  originalmente - e durante quatro anos - publicada  no jornal Expresso, que agora é publicada  no Diário Económico, aos sábados.

 

 

 

Já no Diário Económico, a "Ideias em Estante" ganhou também dois novos formatos. Entrevistas aos autores, transmitidas na Web e TV Económico. E formato televisivo.

 

 

 

Na “Ideias em Estante” é também publicado o primeiro TOP Nacional de Livros de Economia e Gestão. Um Top da autoria de Mafalda de Avelar,  que surge à semelhança de outros tops internacionais e que é realizado em estrita colaboração com as seguintes livrarias: Almedina, Babel, BarataBertrand, Book.it, Bulhosa e Fnac.

 

 

 

No Diário Económico, a jornalista assina ainda algumas das Grandes Reportagens publicadas às sextas - feiras.

 

 


publicado por Mafalda Avelar às 16:13
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
. Grandes Reportagens

. Ideias em Estante

. Reportagens
.Livros em destaque
."o livro que me marcou"
Alberto João Jardim

António Pinto Barbosa

António de Almeida Serra

Arquimedes da Silva Santos

Carlos Carvalhas

Carlos Zorrinho

Francisco Murteira Nabo

Graça Almeida Rodriques

João Castello Branco

José Amado da Silva

José Hermano Saraiva

Leonor Beleza

Luís Portela

Manuel Serzedelo de Almeida

Valentim Xavier Pintado

Vasco Vieira de Almeida

Vítor Melícias

António de Sousa

Guilherme D´Oliveira Martins

José Veiga Simão

Pedro de Sampaio Nunes

Martins Lampreia

Agostinho Pereira de Miranda

Mª do Rosário Partidário

Carvalho da Silva

Carlos Tavares

EM BREVE: mais cerca de 50 outros ilustres convidados que ainda não estão transcritos para este blog

.resenhas de livros

- O Livro da Marca

- The Origin of Weath

- A Competitividade e as Novas Fronteiras da Economia

- Choque do Futuro

- Como a Economia Ilumina o Mundo

- Making Globalization Work

- OUTRAS

.autores entrevistados

Rampini, autor do Século Chinês


Stephen Dubner e Steven Levitt, autores de "Freakonomics"


Tim Hardford, autor de "O Economista Disfarçado"


António Neto da Silva, autor de "Globalização, Fundamentalismo Islâmico e Desenvolvimento Sustentável"


Ashutosh Sheshabalaya, autor de "Made in Índia"

.entrevistas (áudio)

Alberto João Jardim

.Novidades Editoriais

Actual Editora


Esfera dos Livros


Porto Editora


Pergaminho


Campo das Letras


blogs SAPO
.subscrever feeds