.Relógios do Mundo
Clique aqui para saber as horas em qualquer parte do Mundo

.Para o leitor

Qual o livro que mais o marcou? Partilhe aqui a sua opinião!


What is the book of your life? Share your opinion here!


Deixe os seus comentários e sugestões aos artigos do Blog. É fácil, não necessita de registo e torna este Blog mais interessante com o seu contributo. Para saber mais clique aqui



.Mais sobre mim
. Sobre a Mafalda




.links
.arquivos

. Maio 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Outubro 2005

.posts recentes

. Homenagem a Veiga Simão

. Ondjaki vence Prémio Lite...

. Cartas entre Drummond e J...

. "Papa Francisco - Convers...

. José Luís Peixoto o padri...

. José Gomes Ferreira e o s...

. O(s) prefácio (s) de Gasp...

. "Portugal: Dívida Pública...

. Agualusa vence Prémio Man...

. Conheça quais são as livr...

.pesquisar
 
Quarta-feira, 21 de Novembro de 2012
Cada português tem, no mínimo, 30 mil euros de dívida (nas costas)/ Conheça outros números "portugueses", por Ricardo Arroja

 

As Contas Politicamente Incorrectas da Economia Portuguesa

 

Livro em análise: " As Contas politicamente incorrectas da economia portuguesa" (Guerra&Paz), de Ricardo Arroja.

(Vídeo -entrevista ao autor no final deste post)

 

 

 

Contas portuguesas, com certeza

AUTOR APRESENTA "CAUSA DAS COISAS" EM NÚMEROS E FALA DOS DESAFIOS DO PAÍS.

 

"As contas politicamente incorrectas da economia portuguesa", da autoria de Ricardo Arroja, é um livro de leitura obrigatória. Por três razões. Primeiro, porque apresenta números, alguns pouco falados, outros largamente especulados. Mas todos contextualizados. E, todos de manifesto interesse - e muita oportunidade. Por outras palavras, esta obra que permite saber e interpretar números, leva à acção. Não só no final da leitura da obra; mas também durante a leitura da mesma. São vários os momentos em que o leitor se sentirá tentado a pegar num papel - ou num qualquer aparelho electrónico - e a escrever. A registar aqueles números que às vezes falham (ou não existem), na memória.

Numa linguagem simples e acessível, Arroja desmistifica muitos dos algoritmos que andam por aí a circular sem norte, de mãos dadas com muitas informações e citações que baralham mentes, que se contradizem, que se misturam entre opiniões, realidades e (algumas) ficções. Uma confusão. Algo alucinante e que leva o cidadão "ao desespero". E é exactamente no meio de todo este turbilhão "explicativo" que surge no mercado este livro - que não apresenta apenas uma visão ou ideologia. Tenta, pelo menos, tocar em várias. Este é o segundo factor de diferenciação desta obra. Algo que se complementa com o bom ritmo de escrita, conseguido através de um bom envolvimento do leitor, que dará por si, às vezes, a rir no meio da "desgraça" que os números apontam (Basta olhar para os "títulos" ao lado).

Por último, um dos grandes méritos deste livro consiste na identificação que alguns leitores irão sentir quando confrontados com "a necessidade de mudança" transmitida pelo autor, que se adivinha um jovem nascido na segunda metade dos anos 70. Está cheio de garra, não quer saber de culpados, quer é soluções e sobretudo esclarecimentos. Quer ver crescimento. Afinal, quer garantir um Portugal melhor para ele. E, a valer pela dedicatória e pelos agradecimentos, para os filhos. Concordando, ou não, com algumas interpretações que o autor dá ( também aos números) e partilhando, ou não, a mesma opinião em relação a temas como o peso e função do Estado na Economia, ou a visão sobre o ultimato "mercado único ou moeda única", o facto é que vale a pena ler este livro, que funciona, também, como um manifesto a favor do progresso. Seja economista de água doce ou salgada, leia esta obra, que também toca no Mar. Como escreve o autor " Esta é uma história portuguesa, com certeza" à qual nem Fernando Pessoa falta. Afinal, "Não sei se é sonho, se realidade"(F.Pessoa).

 

ACERTO DE CONTAS IN LIVRO

Leia aqui o "Acerto de contas", publicado no final de cada um dos capítulos do livro "As contas politicamente incorrectas da economia portuguesa" (Guerra & Paz), da autoria de Ricardo Arroja.

 

CAPÍTULO 1

As Insolvências

A economia portuguesa, representando menos de 0,5 % do PIB mundial, terá produzido quase 2 % de todas as novas insolvências no mundo em 2012. Das 370.000 sociedades comerciais existentes em Portugal, 320.000 são microempresas, só 18.000 é que exportam, e destas 18.000 apenas 100 são responsáveis por cerca de metade do volume global de exportações portuguesas. Entre as empresas que vão sobrevivendo, depois de deduzidos os custos da dívida, o lucro normal médio na economia portuguesa é de zero por cento.

 

CAPÍTULO 2

Privados a Menos

O Investimento realizado pelas empresas privadas em Portugal passou de 15% do PIB em 2000 para menos de 10% no final de 2011, e o das famílias de 9% do PIB em 2000 para pouco mais de 4% em 2011. Na última década e meia, o crescimento do consumo público esteve inversamente correlacionado com o crescimento do investimento na economia. No índice de desenvolvimento humano das Nações Unidas, que mede a qualidade de vida do País, em 2011 figurávamos no 41º lugar. Em 1975, após a revolução de Abril de 1974, estávamos em 24º.

 

CAPÍTULO 3

Terra Queimada

Nas últimas décadas, quase que deixámos de produzir. Deixámos de produzir coisas, os tais bens transaccionáveis que passámos a importar, e abandonámos o sector primário - agricultura e pescas. (...)

 

CAPÍTULO 4

Desindustrialização

A indústria não emprega hoje mais de 750.000 trabalhadores, ou seja, menos de 15% da população activa; em 1970, empregava um milhão de assalariados, que representava mais de 30% da população activa. A produtividade do capital físico, entre 2000 e 2009, diminuiu ao ritmo de 2,5% por ano, no que constitui o pior registo dos últimos cem anos. (...)

 

CAPÍTULO 5

Produtividade

Em Portugal, a produtividade por hora de trabalho em 2011 traduzia-se numa produção cujo valor era de 17 euros por hora de trabalho. Na vizinha Espanha, 30 euros. Na União Europeia, 32. Na média da Zona Euro, 37. (...)

 

CAPÍTULO 6

Portugal e o Livre Comércio

Ao longo da História, os portugueses raramente, e somente em caso de necessidade, se afirmaram enquanto produtores. (...)

 

CAPÍTULO 7

O "Monstro"

A democracia em Portugal teve um impacto sem precedentes na evolução da despesa pública. Desde o 25 de Abril até aos dias de hoje, a despesa pública passou de pouco mais de 20% do PIB para quase 50 % do PIB.

Portugal é um Estado unitário, ao contrário de outros Estados, que são federados. Mas nesta estrutura unitária emerge uma grande descentralização administrativa e financeira das entidades públicas. A burocracia e a ineficiência do Estado, manifestadas na gestão da despesa pública, em 2012, colocavam Portugal num lamentável 133º lugar, entre 144 países, em matéria de desperdício de recursos públicos.

A Educação

Considerando todo o universo de alunos no ensino superior público, cerca de 300.000 em 2010, cada

aluno custava aos portugueses mais de 8.000 euros por ano.

Ponderados os custos entre o ensino básico, o secundário e o superior, em 2012, o ensino público representaria em Portugal um investimento anual de 4.000 euros por aluno, num país onde a remuneração do trabalho per capita era de pouco mais de 8.000 euros por ano. Como nem todos têm de ser licenciados, o combate ao analfabetismo funcional deveria ser a principal prioridade educativa. Por exemplo, na Alemanha mais de metade dos alunos inscritos no ensino secundário frequentam o ensino vocacional, cerca de 56%, contra apenas 14 % em Portugal.

A Saúde

Em Portugal, a saúde em 2010 custava quase 11 % do PIB, contra 9,5 % na média dos países da OCDE. Na Zona Euro, estávamos em 5.º lugar na lista de países que mais investiam na saúde. Em 2010, o consumo de medicamentos por pessoa, depois de ajustado pelo custo de vida, era superior ao consumo per capita de países como a Dinamarca, a Noruega ou a Suécia.

Os subsistemas públicos de saúde representam uma inaceitável duplicação de custos para o Estado. Não faz sentido que, existindo o SNS, subsistam também outros sistemas públicos de saúde financiados em parte pelo Orçamento do Estado.

A Segurança Social

Existem hoje em Portugal vinte tipos de benefícios sociais, sendo que no final de 2011 existiam mais de 5,7 milhões de beneficiários. Somente entre os pensionistas, contavam-se três milhões de pessoas - 30 % da população.

Em Portugal, ao contrário do que a generalidade das pessoas julga, as contribuições que cada cidadão desconta enquanto activo não chegam para financiar as suas pensões assim que inactivo. Em 2011, os subscritores da Caixa Geral de Aposentações deveriam ter descontado mais 2000 milhões de euros além das contribuições e quotizações que efectivamente descontaram. Este regime especial desegurança social deveria deixar de existir.

O sector empresarial do Estado

O endividamento global do sector empresarial do Estado em 2011 era superior a 60.000 milhões de euros, mais de 30 % do PIB, uma dívida de 6.000 euros por cada português ou de 11.000 por cada português em idade activa. Os capitais próprios destas empresas, ponderados pela participação pública no seu capital social, eram negativos em quase 2.000 milhões de euros. Ou seja, se o Estado quisesse vender o seu sector empresarial, teria de pagar a quem o comprasse. O Estado deveria vender ou reduzir o seu envolvimento nas empresas públicas que causam prejuízos, e não naquelas que, apesar de tudo, ainda vão funcionando mais ou menos bem.

As PPP

Estas modalidades contratuais serviram para financiar projectos de investimento de cariz eminentemente público, sob gestão privada. Mas tivessem os contratos sido avaliados à luz de critérios ditos privados e nunca teriam conhecido a luz do dia.

Em 2011, um só contrato - a Rodoviária Interior Norte - consumiu quase 450 milhões de euros em encargos líquidos ao Estado, quase tanto quanto os 560 milhões utilizados para custear o sistema judiciário (tribunais) nesse mesmo ano. Em 2012, o valor actualizado dos encargos brutos previstos até 2051 correspondia a 26.000 milhões de euros, cerca de 15 % do PIB e quase 5.000 euros por contribuinte em idade activa.

Estado de mau exemplo

Em 2011, entre despesas irregulares, erros e omissões, regularização de dívidas e poupanças futuras, contabilizaram-se 650 milhões de euros. Destes, só em poupanças futuras, identificaram-se despesas no valorde 365 milhões que poderiam ser evitadas.

Entre 2000 e 2011, os consumos intermédios do Estado, onde se enquadram os bens e serviços subcontratados, representaram em média 4,5 % do PIB. Mas nos primeiros quatro trimestres após o resgate à República Portuguesa em 2011 estes mesmos consumos intermédios representaram 4,7 % do PIB. No final de 2011, em média, o Estado pagava a 84, 122 e 158 dias consoante se tratasse, respectivamente, da administração central, local (incluindo a regional), ou do seu sector empresarial. Os pagamentos em atraso atingiam os 4.700 milhões de euros - perto de 3 % do PIB.

 

CAPÍTULO 8

A Dívida

(...) Os cidadãos portugueses, entre dívidas explícitas e implícitas do Estado, estão onerados em quase 30.000 euros por cabeça, ou 55.000 euros por trabalhador em idade activa - além, é claro, das dívidas privadas da cada cidadão.

 

CAPÍTULO 9

O Futuro

A descentralização em Portugal degenerou frequentemente noutro traço característico da nossa cultura - a desresponsabilização. E à desresponsabilização, invariavelmente, somou-se uma atitude de relaxação. O português precisa de estar sob pressão.

O Estado central em Portugal deve, pois, ser forte, deve ser pleno, mas também tem de ser pequeno. A sua acção deveria centrar-se exclusivamente na segurança e na regulação económica, mas não na regulação administrativa nem na acção social.

Para países como Portugal, o mercado único é hoje incompatível com as exigências da moeda única. A prazo, sem uma federação europeia ou sem um mecanismo de transferências permanentes, ter-se-á de optar entre o mercado único ou a moeda única.

 

Politicamente (in)correcto.

Este é o primeiro título da colecção "Politicamente Incorrecto" da Guerra& Paz. "História Politicamente Incorrecta do Portugal Contemporâneo - de Salazar a Soares", de Henrique Raposo; e, "Uma Viagem Politicamente Incorrecta ao Cérebro Humano", de Alexandre Castro Caldas são os próximos títulos.

 

RICARDO ARROJA

Gestor e autor

Licenciado em Gestão pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Arroja iniciou a sua actividade profissional ligado ao sector financeiro. É, hoje e desde 2009, professor assistente no Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. Além de escrever para os blogues Portugal Contemporâneo e O Insurgente, é comentador da RTP e colunista do Diário Económico e da Vida Económica.

MAIS EXCERTOS

As linhas que se seguem foram retirados do último capítulo do livro "As contas politicamente incorrectas da economia portuguesa". ( in "O Futuro", capítulo 9). Em jeito de conclusão escreve o autor:

"Portugal tem nove séculos de existência, mas essa existência está hoje ameaçada. Em pouco mais de 15 anos, a nossa posição líquida de investimento internacional - a diferença entre activos detidos por residentes e activos detidos por não residentes - passou de uma situação relativamente equilibrada, um défice de apenas 8% do PIB, para uma situação totalmente desequilibrada, um défice de superior a 100% do PIB. Por outras palavras, Portugal é hoje detido por não residentes, é detido pelo estrangeiro, e como se não bastasse, entre 2011 e 2014, teremos também sido um protectorado do estrangeiro. A quase bancarrota de 2011 - a terceira em menos de 40 anos de democracia representativa parlamentar - feriu, quiçá até de morte, a nossa dignidade enquanto povo soberano. Sobra-nos o idioma, o hino, e pouco mais. Resta-nos o legado dos nossos pais".

As coisas boas da Europa

"Os portugueses aprenderam a gostar das coisas boas da Europa Ocidental, e não se pode culpá-los. Abolição de fronteiras. Bens e serviços de qualidades estrangeira. Estabilidade política. Estabilidade monetária. Só coisas boas. Porém, o mundo não é perfeito, e nos seio da União Europeia tem residido um conflito latente entre a inviabilidade histórica de uma federação de países europeus e a inviabilidade prática de uma moeda única assente numa simples confederação de nações".

Mercado único vs moeda única

"A prazo, sem uma federação europeia ou sem um mecanismo de transferências permanentes, ter-se-á de optar entre o mercado único ou a moeda única, e se o fanatismo eurocrata for levado ao limite, poderemos acabar sem ambos e sem a própria União Europeia".

A questão de fundo

"A questão de fundo resume-se a duas simples interrogações, uma primeira de cariz estrutural e uma segunda de cariz conjuntural. Primeiro, como pode a economia portuguesa competir com economias cujo valor produzido por hora é em média o dobro da nosso? Segundo, como pode a economia portuguesa competir com economias que se financiam a taxas de juro muito inferiores às nossas?"

"A austeridade está para ficar, e sabemos que no futuro próximo a ela não deveremos escapar.

O desafio está em encontrar um caminho de futuro que, arrepiando este presente descaminho, nos devolva a segurança e a genuína esperança".

In prefácio, por Vítor Bento

"Sobre um alicerce frágil não é possível edificar uma casa sólida. Da mesma forma, apoiado em factos errados, não é possível construir uma argumentação certa (...) Este é o mal de que padece grande parte do comentário público em Portugal e, frequentemente, do próprio reporte noticioso, e que muito contribui para a pobreza do debate político-social(...)

Nada disto - a falta de rigor argumentativo - tem que ver, note-se, com diferenças de opinião. (...) Como é o caso de Ricardo Arroja, que neste livro reúne um conjunto de textos sobre temas diversos ligados à economia portuguesa e nos quais procura desmontar muitas das falácias argumentativas que se têm vindo a afirmar como 'verdades' na discussão pública, para isso recorrendo à profusa utilização de objectiva informação estatística". ( In Diário Económico de 16/11/12)

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 11:18
link do post | comentar | favorito
|
. Grandes Reportagens

. Ideias em Estante

. Reportagens
.Livros em destaque
."o livro que me marcou"
Alberto João Jardim

António Pinto Barbosa

António de Almeida Serra

Arquimedes da Silva Santos

Carlos Carvalhas

Carlos Zorrinho

Francisco Murteira Nabo

Graça Almeida Rodriques

João Castello Branco

José Amado da Silva

José Hermano Saraiva

Leonor Beleza

Luís Portela

Manuel Serzedelo de Almeida

Valentim Xavier Pintado

Vasco Vieira de Almeida

Vítor Melícias

António de Sousa

Guilherme D´Oliveira Martins

José Veiga Simão

Pedro de Sampaio Nunes

Martins Lampreia

Agostinho Pereira de Miranda

Mª do Rosário Partidário

Carvalho da Silva

Carlos Tavares

EM BREVE: mais cerca de 50 outros ilustres convidados que ainda não estão transcritos para este blog

.resenhas de livros

- O Livro da Marca

- The Origin of Weath

- A Competitividade e as Novas Fronteiras da Economia

- Choque do Futuro

- Como a Economia Ilumina o Mundo

- Making Globalization Work

- OUTRAS

.autores entrevistados

Rampini, autor do Século Chinês


Stephen Dubner e Steven Levitt, autores de "Freakonomics"


Tim Hardford, autor de "O Economista Disfarçado"


António Neto da Silva, autor de "Globalização, Fundamentalismo Islâmico e Desenvolvimento Sustentável"


Ashutosh Sheshabalaya, autor de "Made in Índia"

.entrevistas (áudio)

Alberto João Jardim

.Novidades Editoriais

Actual Editora


Esfera dos Livros


Porto Editora


Pergaminho


Campo das Letras


blogs SAPO
.subscrever feeds