.Relógios do Mundo
Clique aqui para saber as horas em qualquer parte do Mundo

.Para o leitor

Qual o livro que mais o marcou? Partilhe aqui a sua opinião!


What is the book of your life? Share your opinion here!


Deixe os seus comentários e sugestões aos artigos do Blog. É fácil, não necessita de registo e torna este Blog mais interessante com o seu contributo. Para saber mais clique aqui



.Mais sobre mim
. Sobre a Mafalda




.links
.arquivos

. Maio 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Outubro 2005

.posts recentes

. Homenagem a Veiga Simão

. Ondjaki vence Prémio Lite...

. Cartas entre Drummond e J...

. "Papa Francisco - Convers...

. José Luís Peixoto o padri...

. José Gomes Ferreira e o s...

. O(s) prefácio (s) de Gasp...

. "Portugal: Dívida Pública...

. Agualusa vence Prémio Man...

. Conheça quais são as livr...

.pesquisar
 
Sexta-feira, 10 de Agosto de 2012
"Filosofia em Directo"

Publico, hoje, neste espaço as respostas dadas, na íntegra, pelo Professor Desidério Murcho ao Diário Económico.

 

Desidério Murcho é autor de "Filosofia em Directo", ensaio da Fundação Francisco Manuel dos Santos, que pode comprar, hoje, com o DE por mais 2,4 euros.




Até que ponto é que a Filosofia é uma necessidade?

 

Para quem tiver curiosidade intelectual, a filosofia é fascinante porque se trata de investigar com todo o rigor o que não é insusceptível de ser conhecido nem experimentalmente, como acontece na física, nem matematicamente.

 

Contudo, uma actividade pode ser importante mesmo para quem não tem interesse nela. Ora, a filosofia é importante mesmo para quem não tem interesse nela porque uma parte importante do nosso modo de vida actual resultou de algum trabalho filosófico. Darei alguns exemplos já de seguida, mas é importante ressalvar desde já que há muitas áreas da filosofia que não têm qualquer interesse excepto para quem tiver curiosidade intelectual. E não há problema algum nisso. Todavia, há outras áreas da filosofia que são do interesse mesmo de quem não se interessa por filosofia. Por exemplo, a ideia de que as mulheres devem ter precisamente os mesmos direitos políticos e económicos do que os homens foi defendida por um filósofo do séc. XIX, John Stuart Mill; foi ele também que defendeu a liberdade de expressão. Estas duas ideias hoje parecem-nos óbvias, mas no séc. XIX estavam longe de ser óbvias; e talvez nunca se tivessem tornado óbvias se não tivessem sido discutidas filosoficamente. Também hoje nos parece óbvio que a Terra não está no centro do universo, mas foi preciso muito trabalho científico para se tornar óbvio.

 

Finalmente, a importância da filosofia para quem não tem interesse em filosofia é também o seguinte: em filosofia aprendemos a raciocinar e a teorizar intensamente sobre problemas que não podem ser resolvidos recorrendo à experimentação científica nem ao cálculo matemático; ora, muitos dos problemas importantes que queremos ver resolvidos, por vezes bastante práticos porque são problemas sociais, políticos e económicos, não podem ser abordados recorrendo à experimentação científica nem ao cálculo matemático. Saber raciocinar e teorizar intensamente, algo que se aprende a fazer quando se aprende filosofia apropriadamente, é por isso crucial.

 

Qual a razão para que, e na generalidade, seja mais fácil desistir do que insistir?

 

Penso que essa é uma pergunta para os psicólogos ou para os sociólogos. A mim parece-me óbvio que qualquer actividade que exija concentração e esforço, intelectual ou físico, exige a ultrapassagem da preguiça e do imediatismo facilitista em que muitas pessoas vivem mergulhadas (com todo o direito a isso!). Mas há outra razão que faz as pessoas desistir dos problemas da filosofia, e chama-se a isso “cientismo”: é a ideia de que ou um problema pode ser resolvido cientificamente ou não vale a pena pensar nele. Deveria ser óbvio que, com esta mentalidade, nunca a própria ciência teria sido inventada, pois antes de esta existir, por definição, os problemas não eram susceptíveis de resolução científica.

 

Qual o papel da Filosofia num mundo em crise? Conseguiremos enfrentar “a vida” com mais garra usando a filosofia?

 

Filosofia não é psicologia, nem é auto-ajuda para-religiosa; não tem coisa alguma a ver com dar garras às pessoas, com ou sem crise. Mas tem a ver com aprender a raciocinar melhor, e isso pode ser crucial para descobrir boas soluções imaginativas para a crise económica contemporânea. Tivessem os economistas e responsáveis políticos uma formação que lhes permitisse raciocinar e teorizar melhor, e talvez nunca tivéssemos entrado nesta crise. E agora que estamos nela, precisamos de saber raciocinar e teorizar para encontrar saídas adequadas, e para aprendermos com a experiência. 

 

 

 

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 08:00
link do post | comentar | favorito
|
. Grandes Reportagens

. Ideias em Estante

. Reportagens
.Livros em destaque
."o livro que me marcou"
Alberto João Jardim

António Pinto Barbosa

António de Almeida Serra

Arquimedes da Silva Santos

Carlos Carvalhas

Carlos Zorrinho

Francisco Murteira Nabo

Graça Almeida Rodriques

João Castello Branco

José Amado da Silva

José Hermano Saraiva

Leonor Beleza

Luís Portela

Manuel Serzedelo de Almeida

Valentim Xavier Pintado

Vasco Vieira de Almeida

Vítor Melícias

António de Sousa

Guilherme D´Oliveira Martins

José Veiga Simão

Pedro de Sampaio Nunes

Martins Lampreia

Agostinho Pereira de Miranda

Mª do Rosário Partidário

Carvalho da Silva

Carlos Tavares

EM BREVE: mais cerca de 50 outros ilustres convidados que ainda não estão transcritos para este blog

.resenhas de livros

- O Livro da Marca

- The Origin of Weath

- A Competitividade e as Novas Fronteiras da Economia

- Choque do Futuro

- Como a Economia Ilumina o Mundo

- Making Globalization Work

- OUTRAS

.autores entrevistados

Rampini, autor do Século Chinês


Stephen Dubner e Steven Levitt, autores de "Freakonomics"


Tim Hardford, autor de "O Economista Disfarçado"


António Neto da Silva, autor de "Globalização, Fundamentalismo Islâmico e Desenvolvimento Sustentável"


Ashutosh Sheshabalaya, autor de "Made in Índia"

.entrevistas (áudio)

Alberto João Jardim

.Novidades Editoriais

Actual Editora


Esfera dos Livros


Porto Editora


Pergaminho


Campo das Letras


blogs SAPO
.subscrever feeds