.Relógios do Mundo
Clique aqui para saber as horas em qualquer parte do Mundo

.Para o leitor

Qual o livro que mais o marcou? Partilhe aqui a sua opinião!


What is the book of your life? Share your opinion here!


Deixe os seus comentários e sugestões aos artigos do Blog. É fácil, não necessita de registo e torna este Blog mais interessante com o seu contributo. Para saber mais clique aqui



.Mais sobre mim
. Sobre a Mafalda




.links
.arquivos

. Maio 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Outubro 2005

.posts recentes

. Homenagem a Veiga Simão

. Ondjaki vence Prémio Lite...

. Cartas entre Drummond e J...

. "Papa Francisco - Convers...

. José Luís Peixoto o padri...

. José Gomes Ferreira e o s...

. O(s) prefácio (s) de Gasp...

. "Portugal: Dívida Pública...

. Agualusa vence Prémio Man...

. Conheça quais são as livr...

.pesquisar
 
Sexta-feira, 31 de Agosto de 2012
"A Classe Média: Ascensão e Declínio"

Publico, hoje, neste espaço as respostas dadas, na íntegra, pelo Professor Elísio Estanque, autor de "A Classe Média: Ascensão e Declínio", livro da Fundação Francisco Manuel dos Santos, que pode comprar, hoje, com o DE por mais 2,4 euros.

 

 

Como caracteriza a nossa classe média? E qual tem sido a sua evolução?

A classe média assalariada (a que alguns chamam “nova” classe média, para distinguir da pequena burguesia empresarial), é composta essencialmente por funcionários, quadros e empregados do setor terciário. O seu crescimento é, por assim dizer, fruto da terciarização da economia e dos processos de concentração urbana que em geral lhe estão associados. Os pequenos empresários e os profissionais liberais também fazem parte da classe média – que se distingue, por um lado, dos trabalhadores manuais e das camadas mais pobres e, por outro lado, também não integra as camadas superiores –, mas o grosso dessas categorias passou a ser constituído por esses profissionais intermédios, qualificados e semi-qualificados da força de trabalho. Se nos países mais desenvolvidos o crescimento da dita classe média foi parte de um processo longo de sedimentação das qualificações e de expansão do progresso técnico e das políticas sociais, em países de desenvolvimento tardio e intermédio, ou seja, casos como o português, em que a modernização além de tardia e muito incompleta permaneceu articulada a formas de organização mais tradicionais, o esforço desenvolvimentista ficou sobretudo na dependência das politicas públicas e do papel do Estado. Daí que, em Portugal, a classe média tenha crescido em larga medida á sombra o Estado. Até porque o nosso atraso nos anos setenta era de tal ordem que a transição democrática e a tentativa de desenvolver o país – com políticas sociais na Educação, na Saúde, na Segurança Social, no Emprego, etc. – teria de exigir uma grande intervenção do Estado. O problema é que esses investimentos não foram convenientemente absorvidos pela sociedade civil nem deram lugar a uma economia mais inovadora e competitiva. Os progressos conseguidos continuaram muito dependentes do esforço de investimento público, e entretanto a estabilidade laboral, a segurança e a proteção dos direitos que conferiram à “classe média” (ao funcionalismo público, sobretudo) esse estatuto, começaram a ser abalados, primeiro com o excessivo endividamento, privado e público, e depois com o acentuar do nosso défice, da crise financeira e da austeridade revelaram-se as enormes fragilidades da classe média. Tornou-se então claro que o sonho da classe média começou a esfumar-se e, afinal, o próprio estatuto social dessas camadas era, em boa medida, fictício.

 

Em Portugal existe pobreza envergonhada?

Existe. E o meu livro aponta vários exemplos disso mesmo, de resto, muitos deles relatados na imprensa. As famílias e os indivíduos a dada altura incorporaram um “status” de uma condição “remediada” e que mereceu a consideração (ou até a inveja) de conhecidos, vizinhos, familiares o que, agora, perante as dificuldades e carências económicas inesperadas, lhes coloca acrescidas dificuldades no plano psicológico. A imagem projetada para o exterior entra em conflito com a realidade de um orçamento familiar que já não consegue sustentar esse estatuto de desafogo. Por isso, em muitos casos recorre-se à assistência, mas isso é feito às escondidas por forma evitar o encontro com os grupos mais pobres e miseráveis com quem os que já foram (e ainda se sentem) membros da classe média não aceitam ser confundidos.

 

Em termos sociológicos – e económicos – é possível distinguir miséria de pobreza?

Diria que na pobreza, apesar das dificuldades e da “ginástica” que uma família pobre tem de fazer, ainda pode conseguir suprir as necessidades elementares, porventura com alguma ajuda (institucional ou caritativa), enquanto a miséria é já uma condição degradante do ponto de vista do bem-estar, onde as necessidades primárias não conseguem ser satisfeitas e, por isso mesmo, a miséria estende-se do plano económico para o psicológico ou até físico. Porque atrás da miséria está a fome e a doença.

 

 

Um País sem classe média tem tendência, a médio prazo, a “morrer”? Ou são possíveis milagres?

A classe média integra grupos muito distintos no seu seio. Mas não é só a questão financeira que conta. O empobrecimento de uns, a contenção e o risco de cair na penúria de outros, a revolta daqueles que, apesar das dificuldades, se possam aguentar ou ainda o fechamento em soluções individualistas de muitos outros compõem uma panóplia de possíveis reações. Porém, as respostas desses grupos, desencantados e frustrados com o poder económico e político podem também derivar para a contestação coletiva, engrossando movimentos, protestos e revoltas mais ou menos radicais. Um contexto de forte descontentamento e de saturação face às instituições e aos agentes do sistema (partidos políticos) é propício ao surgimento de propostas salvíficas e a discursos populistas que podem resultar em ditaduras. E estas camadas descontentes podem servir de rastilho, arrastando consigo os restantes setores populares, os desempregados e os excluídos que o eram antes da crise. Sem classe média nenhuma democracia consegue aguentar-se por muito tempo. Mas a classe média também atua coletivamente e pode ajudar a fazer revoluções.

 

Qual a importância deste sua obra?

Penso que ajuda a compreender melhor o significado – passado e futuro – da classe média e a perceber a própria origem do conceito em termos sociológicos. No fundo, quero acreditar que quem ler este livro fique na posse de um conhecimento mais informado e uma perspetiva mais critica sobre a sociedade portuguesa, inclusive que passe a olhar a “classe média” não só como uma categoria que aceita e adere aos princípios do mercado e da economia capitalista, mas também como uma força transformadora e que participa ativamente na mudança social e política.

 

 

 

 

 

Este post também foi publicado no blog:www.livrosemanias.blogs.sapo.pt

publicado por Mafalda Avelar às 08:00
link do post | comentar | favorito
|
. Grandes Reportagens

. Ideias em Estante

. Reportagens
.Livros em destaque
."o livro que me marcou"
Alberto João Jardim

António Pinto Barbosa

António de Almeida Serra

Arquimedes da Silva Santos

Carlos Carvalhas

Carlos Zorrinho

Francisco Murteira Nabo

Graça Almeida Rodriques

João Castello Branco

José Amado da Silva

José Hermano Saraiva

Leonor Beleza

Luís Portela

Manuel Serzedelo de Almeida

Valentim Xavier Pintado

Vasco Vieira de Almeida

Vítor Melícias

António de Sousa

Guilherme D´Oliveira Martins

José Veiga Simão

Pedro de Sampaio Nunes

Martins Lampreia

Agostinho Pereira de Miranda

Mª do Rosário Partidário

Carvalho da Silva

Carlos Tavares

EM BREVE: mais cerca de 50 outros ilustres convidados que ainda não estão transcritos para este blog

.resenhas de livros

- O Livro da Marca

- The Origin of Weath

- A Competitividade e as Novas Fronteiras da Economia

- Choque do Futuro

- Como a Economia Ilumina o Mundo

- Making Globalization Work

- OUTRAS

.autores entrevistados

Rampini, autor do Século Chinês


Stephen Dubner e Steven Levitt, autores de "Freakonomics"


Tim Hardford, autor de "O Economista Disfarçado"


António Neto da Silva, autor de "Globalização, Fundamentalismo Islâmico e Desenvolvimento Sustentável"


Ashutosh Sheshabalaya, autor de "Made in Índia"

.entrevistas (áudio)

Alberto João Jardim

.Novidades Editoriais

Actual Editora


Esfera dos Livros


Porto Editora


Pergaminho


Campo das Letras


blogs SAPO
.subscrever feeds